Bolsas da Europa sobem após leilão de bônus e discurso de Obama

Primeiro leilão da Linha de Estabilidade Financeira Europeia atraiu a demanda de € 44,5 bilhões para a emissão de € 5 bilhões na terça-feira

Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de janeiro de 2011 | 08h35

As bolsas europeias sobem, com os investidores animados pelo sucesso do primeiro leilão de bônus da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) e pelo discurso do Estado da União, feito pelo presidente dos EUA, Barack Obama.

A EFSF atraiu a demanda de € 44,5 bilhões para a emissão de € 5 bilhões realizada ontem, mesmo dia em que a Espanha vendeu € 2,2 bilhões em títulos de curto prazo com yield (retorno ao investidor) bem menor do que o oferecido no leilão anterior. O Credit Agricole destacou que o fato refletiu a melhora no sentimento com relação à Espanha e outros países da periferia da zona do euro.

Colaborando para o tom positivo, Obama prometeu em seu discurso anual criar empregos e estimular o crescimento. Jim Reid, estrategista do Deutsche Bank, afirmou que a confiança dos investidores aumentou após o discurso, já que ele se somou à aparente recuperação da economia norte-americana e a balanços fortes que vêm sendo anunciados por empresas dos EUA nos últimos dias.

No campo corporativo europeu, o destaque hoje é o setor automotivo, que está reduzindo as perdas provocadas recentemente por preocupações com um superaquecimento da economia da China. Por outro lado, a alemã SAP opera em queda, depois de informar que seu lucro caiu 36% no quarto trimestre do ano passado, em comparação com o mesmo período de 2009, apesar de um forte crescimento na receita. A empresa teve quase 1 bilhão de euros em custos para cobrir o impacto de um processo judicial que envolveu a Oracle.

Mais tarde a atenção global vai se voltar para a decisão de política monetária do Federal Reserve. O comunicado do Fed após a reunião provavelmente vai refletir o fortalecimento da recuperação dos EUA, "mas, ao mesmo tempo, nós não esperamos qualquer mudança na segunda rodada de afrouxamento quantitativo", comentou o Rabobank.

No mercado de câmbio, o euro renovou a máxima em dois meses, à medida que o sentimento com relação à Europa melhorou. As commodities também foram beneficiadas pelo tom otimista dos mercados e operam em alta.

Às 8h51 (de Brasília), Londres tinha alta de 1,27%, Paris avançava 0,97% e Frankfurt ganhava 1,29%, enquanto o euro era cotado a US$ 1,3695, de US$ 1,3682 no fim da tarde de ontem, e o dólar subia para 82,18 ienes, de 82,25 ienes ontem. O petróleo para março negociado na Nymex subia 0,72%, a US$ 86,81 por barril. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EuropaleilãobônusObamabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.