Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bolsas da Europa sobem com leilão de bônus na Itália

 Volume de negócios, no entanto, segue fraco por causa das comemorações e feriados relacionados ao encerramento do ano 

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

29 de dezembro de 2011 | 15h59

Os principais índices do mercado de ações da Europa fecharam em alta, impulsionados pelo fato de o mercado ter cobrado juros menores da Itália num leilão de títulos soberanos ocorrido mais cedo e por indicadores econômicos em geral positivos sobre a economia dos EUA. O volume de negócios, no entanto, segue fraco por causa das comemorações e feriados relacionados ao encerramento do ano. 

Pela manhã, a Itália promoveu um leilão de títulos com vencimento entre dois e 10 anos. O volume captado, cerca de 7 bilhões de euros, ficou aquém do inicialmente previsto, mas o mercado cobrou juros menores para emprestar ao governo italiano. A taxa de retorno média para os títulos do país com vencimento em novembro de 2014 caiu para 5,62%, de 7,89% no leilão anterior, enquanto o yield médio dos bônus para março de 2022 recuou para 6,98%, de 7,56%.

"Desviamos de um iceberg", disse Justin Urquhart Stewart, cofundador da Seven Investment Management. "Se tivéssemos batido, isso seria realmente desagradável". Ele lembrou, no entanto, que apenas um leilão não resolve os problemas das dívidas soberanas da zona do euro. "Ainda precisamos receber um plano único para o gerenciamento do euro. Sabemos que isso é necessário", acrescentou. 

Nos EUA, o Departamento de Trabalho divulgou que o número de norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego aumentou 15 mil na semana encerrada em 24 de dezembro em relação à semana anterior, para 381 mil. Apesar da alta, essa foi a quarta semana consecutiva em que os pedidos ficaram abaixo da marca de 400 mil - algo que, segundo economistas, indica melhora nas condições da econômicas.

Além disso, o índice de vendas pendentes de imóveis dos EUA avançou 7,3% em novembro ante o mês anterior, para 100,1 pontos - maior nível desde abril de 2010 -, segundo dados divulgados pela Associação Nacional de Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês). O resultado superou em muito a previsão dos analistas, que esperavam um aumento de 0,5%. Na comparação com novembro do ano passado, a alta foi de 5,9%.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 2,26 pontos, ou 0,94%, para 242,46 pontos. Na Bolsa de Londres, o FTSE-100 avançou 59,37 pontos, ou 1,08%, para 5.566,77 pontos. Amanhã a sessão da bolsa de Londres será mais curta e, na segunda-feira, o mercado londrino estará fechado por causa do feriado de Ano Novo. Em Paris, o CAC 40 ganhou 56,48 pontos, ou 1,84%, para 3.127,56 pontos. Na Bolsa de Frankfurt, o Xetra DAX fechou em alta de 77,51 pontos, ou 1,34%, a 5.848,78 pontos.

Em Milão, o índice FTSE MIB subiu 111,98 pontos, ou 0,76%, para 14.908,53 pontos. O IBEX 35, da Bolsa de Madri, avançou 129,50 pontos, ou 1,55%, para 8.487,90 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 teve alta de 5,78 pontos, ou 0,11%, para 5.488,64 pontos. O ASE, da Bolsa de Atenas, recuou 2,27 pontos, ou 0,34%, para 667,30 pontos.

Entre os destaques da sessão, o Banca Popolare dell'Emilia Romagna caiu 2,6%, enquanto o UniCredit perdeu 1,5% em Milão. Em Paris, a Total subiu 2,1%. As ações da Bayer fecharam em alta de 2,9% em Frankfurt. Em Londres, o Vodafone Group avançou 1,4% depois de analistas da Zachs Equity Research elevarem a recomendação dos papéis da companhia para "neutra". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.