Bolsas da Europa sobem por notícias positivas dos EUA

As bolsas europeias operam majoritariamente em alta, sustentadas por notícias favoráveis dos EUA e o fechamento positivo das ações asiáticas após a China anunciar novas medidas para seu mercado de capitais. Os investidores na Europa também acompanham o vencimento de futuros e contratos de opções, que tende a gerar certa volatilidade e ampliar os volumes negociados.

SERGIO CALDAS, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Agencia Estado

21 de março de 2014 | 10h01

Durante a madrugada, a Fitch manteve o rating de longo prazo em moeda estrangeira dos EUA em AAA, com perspectiva estável. Em outubro, a agência de classificação de risco havia colocado a nota em revisão para possível rebaixamento. Antes disso, no fim da tarde de quinta-feira, 20, o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) divulgou seu teste anual de estresse, mostrando que 29 dos 30 maiores bancos dos EUA têm níveis adequados de capital.

O sentimento do investidor na Europa também melhorou após a última série de indicadores dos EUA, divulgada ontem. Os números vieram acima das expectativas ou em linha com as previsões, reforçando a avaliação de que a economia norte-americana continua em recuperação.

Na agenda desta sexta-feira, 21, não há dados novos dos EUA, mas vários dirigentes do Fed fazem pronunciamentos, incluindo Richard Fisher e Narayana Kocherlakota, que votam este ano nas reuniões do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês). Além disso, o índice preliminar de confiança do consumidor da zona do euro referente a março vai ser publicado no final da manhã.

Na Ásia, os mercados acionários encerraram o pregão desta sexta-feira em alta após a China anunciar que vai autorizar empresas locais a emitir ações preferenciais para levantar capital. Em reação à medida, a Bolsa de Xangai saltou 2,72%.

A questão das tensões entre Rússia e Ucrânia também continua no radar dos participantes do mercado. Ontem, os EUA e União Europeia anunciaram novas sanções a aliados do presidente russo, Vladimir Putin. Em resposta, Moscou adotou novas medidas punitivas contra autoridades norte-americanas.

Às 9h47 (de Brasília), a maioria das principais bolsas da Europa operava no azul. Enquanto Londres subia 0,14%, Frankfurt ganhava 0,24% e Paris tinha alta de 0,20%. Por outro lado, Milão e Madri recuavam 0,19%. No mercado de câmbio, o euro se mantinha estável, a US$ 1,3780, e a libra recuava a US$ 1,6486, de US$ 1,6506 no fim da tarde de ontem.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresEuropaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.