Bolsas de China e Austrália fecham em baixa

Demais mercados da Ásia encerraram o pregão registrando leve alta, mas de olho na reunião do Federal Reserve

29 de outubro de 2013 | 07h44

Os principais mercados acionários da Ásia encerraram o pregão em leve alta, mas o dia foi de quedas na China e na Austrália, em um clima de cautela antes da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), que se encerra amanhã à tarde, e na espera por resultados corporativos nos próximos dias.

Na Austrália o índice S&P/ASX 200 recuou 0,5%, para 5.415,50 pontos, depois de alcançar uma nova máxima de cinco anos durante as negociações de segunda-feira.

O presidente do Banco da Reserva da Austrália (RBA, na sigla em inglês), Glenn Stevens, adicionou incertezas sobre a saúde da economia do país ao declarar ainda não saber até que ponto ou quando as melhoras na confiança serão traduzidas em gastos, investimentos e empregos. Stevens também alertou que o atual nível da moeda local é inconsistente com os fundamentos econômicos. O dólar australiano caiu de US$ 0,9577 para US$ 0,9509.

"Eu acho que o RBA está tentando dizer que a economia não está tão bem quanto o dólar australiano está mostrando", disse o consultor de investimentos da RBS Morgans, Christopher Macdonald.

A temporada de balanços corporativos também movimentou o mercado australiano. O banco ANZ deu início aos resultados do setor, com um lucro acima do esperado para o ano fiscal deste ano, o que guiou as ações para uma alta de 1,2%.

Na China, o movimento também foi negativo. O índice Xangai Composto perdeu 0,2% e atingiu os 2.123,86 pontos e o Shenzhen Composto recuou 0,8%, para 1.045,88 pontos. Durante o dia os índices chegaram a registrar ganhos de mais de 1%, na expectativa de que os bancos fossem emitir ações preferenciais. As ações da Ping An Insurance fecharam em alta de 3,2% e as do Shanghai Pudong Development Bank ganharam 3,3%.

"Essa não é a primeira vez que há negociações sobre os bancos emitirem ações preferenciais, mas parece que dessa vez é para valer", disse Gerardo Alfonso Perez, analista na Shenyin Wanguo Securities.

O analista disse que o mercado passou para o campo negativo pressionado por resultados fracos de pequenas e médias empresas e por preocupações de que a economia já atingiu o pico da recuperação.

O setor bancário também entrou em foco pela primeira atuação do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) para injetar dinheiro no sistema financeiro em dias, aliviando os temores de que o banco poderia permitir uma nova crise de crédito, como ocorreu em junho. No entanto, as taxas de juros nos mercados monetários não recuaram.

Já o Hang Seng, da Bolsa de Hong Kong, encerrou o dia com alta de 0,2% e alcançou os 22.846,54 pontos, sustentado pelas ações do setor financeiro. As ações do Agricultural Bank of China subiram 3,2% e as da Industrial & Commercial Bank of China avançaram 2,7%.

O índice Kospi, na Coreia do Sul, também fechou em alta e subiu 0,2%, aos 2.051,76 pontos, assim como o Taiwan Weighted avançou 0,2%, para 8.420,98 pontos, e o PSEi, nas Filipinas, encerrou em ligeira alta de 0,1%, marcando 6.543,46 pontos. A vice-presidente assistente da Capital Securities, Diana Wu, disse que o volume foi fraco em Taiwan enquanto os investidores esperam pelos balanços corporativos que serão publicados na próximas semanas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Ásiabolsas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.