Bolsas de Londres, Paris e Milão fecham em baixa

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou hoje em queda de 3,9 pontos (0,07%), em 5.671,6 pontos. Operadores disseram que persiste no mercado a preocupação com a inflação e a perspectiva das taxas de juro nos EUA. "É uma reação ao que o presidente do Federal Reserve (banco central dos EUA), Ben Bernanke, disse: que os preços das commodities estão criando riscos, tanto de crescimento mais lento como de inflação mais alta. É declarar o óbvio, mas é uma coisa que os mercados vinham ignorando há algum tempo", comentou Jim Wood-Smith, da corretora Christows. Além de refletir essas preocupações, o mercado londrino também reagiu a informes de resultados de empresas importantes, como BT Group, do setor de telecomunicações (+8,12%) e da SABMiller, do setor de cerveja (-3,02%). As da indústria de doces Cadbury Schweppes caíram 2,18%, depois de a empresa alertar que a alta dos preços do petróleo deverá ter impacto em seus lucros. As ações do setor de comércio varejista subiram, em reação ao indicador de vendas no varejo no Reino Unido em abril (Sainsbury +0,53%, Next +1,08%).nome Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 fechou em queda de 11,62 pontos (0,24%), em 4.908,69 pontos. Traders dissram que o pregão foi marcado pela volatilidade. As ações da Technip-Coflexip caíram 9,96%, depois de analistas dizerem que ela alcançou seu pico. As do banco Societé Générale subiram 1,31%, em reação a seu informe de resultados. As da Air France/KLM, que também divulgou resultados, recuaram 0,58%. As da Total caíram 0,93%, em reação à baixa dos preços do petróleo. Traders disseram que nesta sexta-feira o mercado estará atento à divulgação do PIB da França no primeiro trimestre. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX fechou em alta de 13,35 pontos (0,24%), em 5.666,07 pontos, no primeiro pregão positivo da semana. "Depois de três quedas consecutivas, o mercado conseguiu começar a se estabilizar, disse um trader. As ações da Lufthansa caíram 6,915, em dia de pagamento de dividendos. As da BMW subiram 2,21%, recuperando terreno depois da queda forte de ontem, depois de a empresa divulgar um informe de vendas. As do Deutsche Post subiram 0,43%, apesar de os analistas do Crédit Suisse terem rebaixado sua previsão de lucros. Traders disseram que as atenções do mercado nesta sexta-feira estarão concentradas no índice de preços ao produtor da Alemanha em abril. Na Bolsa de Milão, o índice S&P-Mib fechou em queda de 35 pontos (0,10%), em 36.436 pontos, em dia de grande volatilidade. As ações da siderúrgica Tenaris caíram 5,02% e as da construtora Impreglio recuaram 4,75%, depois de o novo ministro dos Transportes da Itália, Alessandro Bianchi, dizer que a administração Romano Prodi não levará adiante o projeto de construir uma ponte entre a Sicília e a Itália continental. As ações da Saras, do setor de refino de petróleo, caíram 11,83% em seu dia de estréia. Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 fechou em queda de 37,90 pontos (0,34%), em 11.210,30 pontos. Traders disseram que o mercado espanhol deu continuidade do movimento de queda de ontem, refletindo os temores quanto à inflação e aos juros nos EUA. As ações da Sacyr-Vallehermoso subiram 1,59%, depois de a empresa anunciar dividendos; as da Sogecable caíram 4,33%, devido a temores quanto a seus contratos para transmitir jogos de futebol. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em queda de 100,73 pontos (1,05%), em 9.474,06 pontos. Traders disseram que o mercado português acompanhou as quedas de outras Bolsas européias. As ações da Portugal Telecom subiram 0,53%, em reação a seu informe de resultados; As da Energias de Portugal caíram 2,68% e as da Sonae recuaram 3,05%. Segundo os traders, o comportamento do mercado nesta sexta-feira dependerá do desempenho das Bolsas dos EUA. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

18 de maio de 2006 | 15h27

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.