Bolsas de Londres volta a cair, mas Paris e Milão sobem

O índice FT-100, da Bolsa de Londres, fechou em queda de 14,2 pontos (0,25%), em 5.657,4 pontos. O dia foi de volatilidade, devido ao vencimento de opções e futuros. As ações da British Airways subiram 9,14%, em reação a seu informe de resultados. As das mineradoras estavam entre as que mais caíram, em reação à nova baixa dos preços dos metais (Antofagasta -2,53%, BHP Billiton -2,50%, Kazakhmys -4,39%, Xstrata -3,69%). As da cervejaria SABMiller caíram 3,20%, no segundo dia de perdas fortes depois da divulgação de seu informe de resultados. Na semana, o FT-100 acumulou uma queda de 4,31%. Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 avançou 35,88 pontos (0,73%), em 4.944,57 pontos. As ações da siderúrgica Arcelor subiram 8,88%, depois de a Mittal Steel aumentar sua oferta para a aquisição da empresa. As do banco Societé Générale avançaram 3,62%, em reação a seu informe de resultados. As da Technip-Coflexip subiram 8,8%, recuperando-se após a queda forte de ontem. Outros destaques foram Rhodia (-4,71%), France Telecom (-2,87%) e Eurotunnel (+7,32%). Na semana, o CAC acumulou uma queda de 4,00%. Na Bolsa de Frankfurt, o índice Xetra-DAX teve ganho de 6,21 pontos (0,11%), em 5.672,28 pontos. O mercado operou "de lado", culminando uma semana "turbulenta". As ações do grupo industrial MAN subiram 1,48%, em reação a comentários favoráveis da AGM. As da Deutsche Börse avançaram 3%, devido à expectativa quanto a notícias sobre uma fusão. As ações da Deutsche Telekom recuaram 0,47%, em reação à notícia da aquisição da Premiere (cujas ações subiram 4,42%). Na semana, o DAX acumulou uma queda de 4,12%. Na Bolsa de Milão, o índice S&P-Mib registrou alta de 207 pontos (0,57%), em 36.643 pontos. As ações do clube de futebol Juventus, de Turim, caíram 10,93%, em meio ao escândalo de resultados acertados no campeonato italiano; as da Fiat, que tem os mesmos acionistas majoritários, recuaram 2,75%. As ações dos bancos subiram, recuperando terreno depois das quedas recentes (Unicredito +3,29%, Capitalia +2,11%). Na semana, o S&P-Mib acumulou uma queda de 3,42%. Na Bolsa de Madri, o índice Ibex-35 encerrou com ganho de 60,50 pontos (0,54%), em 11.270,80 pontos. Este foi o primeiro pregão de alta, depois de quatro dias consecutivos de quedas. A alta foi liderada pelas ações da Arcelor, que subiram 10,88% em reação à nova oferta da Mittal Steel. As da Sogecable avançaram 4,74%, em reação ao informe de que suas emissoras terão o direito de transmitir os jogos da Copa do Mundo. As da Repsol caíram 0,97%, depois de um dirigente da Opep dizer que a organização não deverá reduzir sua produção em junho. Na semana, o Ibex acumulou uma queda de 3,75%. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI-20 fechou em baixa de 70,66 pontos (0,75%), em 9.403,40 pontos. Este foi o nono pregão consecutivo de queda. As ações da Portugal Telecom recuaram 0,11%, embora o lucro da empresa no primeiro trimestre tenha superado as previsões. As do Banco Comercial Português caíram 1,77% e as da Energias de Portugal perderam 2,07%. Na semana, o PSI-20 acumulou uma queda de 5,00%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.