Bolsas de Nova York abrem com sinais opostos

As bolsas dos Estados Unidos começou hoje com sinais opostos, com o índice Dow Jones em alta, o Nasdaq em baixa e o S&P estável, sinalizando a hesitação que deve pautar os negócios esta semana, em que serão divulgados indicadores macroeconômicos importantes nos EUA, além do comunicado - e não tanto da decisão - que do Comitê de Mercado Aberto (FOmc, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) tomará na quarta-feira. Os dados e o FOMC devem definir se Nova York tem fôlego para prosseguir com seu movimento de alta iniciado no verão no Hemisfério Norte. Às 12h43, o Dow Jones subia 0,27%; o Nasdaq avançava 0,13%; e o S&P 500 tinha ganho de 0,18%. A expectativa para o FOMC é que a taxa dos Fed Funds, o juro básico dos EUA, seja mantida inalterada em 5,25%, mas o tom do comunicado volta a ser crucial para definir se o mercado consolidará ou não a estimativa crescente de que não há espaço para reduzir a taxa de juros nos Estados Unidos no primeiro semestre. Cerca de 20% de empresas com ações que são componentes do Dow Jones divulgam balanços nesta semana, entre elas a Verizon, que já abriu seus números hoje. A Verizon Communications, que atualmente tem vendido ativos para reduzir dívidas, anunciou lucro líquido de US$ 1,03 bilhão (US$ 0,35 por ação) no quarto trimestre de 2006. O resultado representa queda de 38% na comparação com os últimos três meses do ano anterior. Os papéis da empresa cediam 0,1% no pré-mercado. As ações do First Republic Bank davam um salto de 41%, no pré-mercado, após o Merrill Lynch ter fechado um acordo para compra do First Republic Bank por US$ 0,55 por ação em dinheiro e ações. Incluindo dívidas, as companhias avaliaram o acordo, que deve ser concluído no terceiro trimestre, em US$ 1,8 bilhão. O Merrill vai pagar 50% em dinheiro e 50% em ações. A oferta representa prêmio de 44% - considerando o fechamento dos papéis do First Republic na sexta-feira. Outro destaque no pré-mercado era a Bristol-Myers Squibb, que subia 6,4%, em reação a uma informação trazida pela newsletter semanal Lettre de l´Expansion, que, sem citar fontes, informou que a Bristol e a Sanofi Aventis devem anunciar uma fusão amigável nas próximas semanas. A Sanofi e a Bristol comentaram o assunto. Com Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.