Bolsas de Nova York abrem em alta; GM é destaque

O primeiro pregão do segundo semestre começa positivo em Wall Street. O índice Dow Jones da Bolsa de Nova York abriu em alta e subia 0,42% às 10h39. O índice Nasdaq avançava 0,24% no mesmo horário. A sessão será mais curta hoje, com encerramento antecipado para as 14 horas, em razão do feriado do Dia da Independência dos EUA, que será celebrado amanhã (as bolsas ficarão fechadas). Apesar do clima de meio feriado hoje nos EUA, o noticiário corporativo começou forte, com a General Motors no destaque. A Nissan Motor informou que seu conselho de diretores aprovou hoje discussões sobre uma aliança tríplice da companhia com a General Motors e a francesa Renault. As discussões terão andamento se a GM apoiar a proposta feita pelo seu principal acionista, o megainvestidor Kirk Kerkorian, do grupo Tracinda. A segunda maior montadora japonesa disse que seu conselho delegou todos os poderes para que o brasileiro Carlos Ghosn, executivo-chefe da Nissan e da Renault, conduza as negociações sobre o assunto. As ações da GM se aceleravam 2% no pré-mercado, após terem fechado em alta de 8,56% na sexta-feira. A Alcoa subia 2%, em reação a um relatório do banco J.P. Morgan informando que as mineradoras BHP Billiton ou Rio Tinto poderiam fazer uma oferta de compra pela companhia de alumínio. "Nessa etapa, nós acreditamos que se a Rio Tinto ou a BHP estiverem para adquirir uma participação na Alumina, elas devem também, provavelmente, adquirir a Alcoa e a Alumina, ao invés de apenas a Alumina", comentou o banco. Os papéis da Wal-Mart cediam um pouco menos de 1%, no pré-mercado, após a varejista ter anunciado, no fim de semana, que suas vendas aumentaram 1,2% em junho, no piso das suas estimativas. O resultado é parcial e os números finais serão divulgados no dia 6 de junho. A companhia citou uma série de fatores para o desempenho fraco, destacando o impacto dos preços elevados da gasolina e a "fadiga dos clientes", além de interrupções de atividade em algumas unidades para remodelação. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.