Bolsas de Nova York abrem em alta, mas invertem sinais

Os fortes lucros divulgados ontem pela Alcoa e o anúncio de corte de empregos pelo Citigroup ajudaram o mercado de ações norte-americano a abrir com valorização modesta. No entanto, os investidores estão cautelosos antes da fala do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Ben Bernanke, e da divulgação da ata da última reunião do Comitê de Mercado Aberto (FOMC), realizada em 20 e 21 de março. O mercado vai analisar de perto a ata em busca de uma indicação sobre a próxima decisão sobre a taxa juros. Às 10h35 (de Brasília), o índice Nasdaq recuava 0,12%; o Dow Jones perdia 0,04%; e o S&P operava com baixa de 0,12%. Os papéis do Citigroup subiram 0,6% antes da abertura com o anúncio de corte de 17 mil empregos em todo o mundo, em uma tentativa de diminuir as despesas anuais em US$ 4,6 bilhões até 2009. As ações da Alcoa ganharam, por sua vez, 2% no pré-mercado, em reação à divulgação do lucro do primeiro trimestre feita ontem depois do fechamento. O lucro da maior fabricante de alumínio do mundo cresceu 8,9% no período para US$ 662 milhões. "Esse é um bom começo para a temporada (de balanços), apesar de a alta dos preços das commodities ter ajudado o aumento dos lucros", disse o estrategista da Cantor Fitzgerald, Marc Pado, afirmando que o resultado positivo da Alcoa pode estar relacionado ao setor. Investidores esperam números mais fracos nos balanços do primeiro trimestre do que os apresentados nos trimestres anteriores. A previsão dos analistas ouvidos pelo Thomson Financial é de aumento em média de 3,3% nos lucros, depois de um período recorde de 14 trimestres consecutivos de aumento de dois dígitos nos lucros das empresas que compõem o índice S&P 500. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.