Bolsas de Nova York abrem em baixa; Motorola cai 11%

As Bolsas de Nova York abriram o pregão de hoje em baixa, após o relatório sobre a criação de vagas de trabalho no mercado norte-americano em dezembro (com um número bem acima do esperado) não ter conseguido eliminar o sentimento negativo que envolve o alerta de lucro da Motorola e o rebaixamento da Dell e da ExxonMobil. A iniciativa de China de limitar o crescimento do país (o banco central do país elevou o recolhimento compulsório dos bancos) pode ter também pesado sobre o humor dos investidores. Às 12h55, o índice Dow Jones operava em baixa de 0,55%, a 12.412 pontos, e o índice Nasdaq caía 0,84%, na mínima do dia até este horário, em 2.432 pontos. A economia norte-americana criou 167 mil vagas de trabalho em dezembro, ante a expectativa de criação de 110 mil empregos. O dado provocou forte queda nos preços dos títulos do Tesouro americano (Treasuries) e levou o juro projetado pelo papel de dez anos a 4,70% ao ano, na máxima, segundo a agência Dow Jones. Às 13 horas, a taxa estava em 4,6802%. O dólar subiu em relação ao euro, também reagindo aos dados de emprego. O petróleo, por sua vez, segue em baixa com o aumento dos estoques e o inverno moderado nos EUA. Em Londres, o petróleo tipo Brent chegou a cair abaixo de US$ 55 o barril. A Motorola está no foco das atenções, após ter feito um alerta de lucro para o quarto trimestre. No pré-mercado o papel caía 11%. A petrolífera ExxonMobil, componente do índice Dow Jones, foi rebaixada pelo Lehman e caía 0,9%. Dell, cortada pelo JP Morgan, caía 2%. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.