Bolsas de Nova York abrem em baixa por Wal-Mart

As Bolsas de Nova York abriram em baixa nesta segunda-feira, com as preocupações sobre as condições da economia realimentadas pela divulgação, no fim de semana, de vendas abaixo do esperado pela maior varejista dos EUA, a Wal-Mart Stores. Na sexta-feira, as bolsas ingressaram em realização depois do anúncio de crescimento de apenas 1,6% da economia dos EUA no terceiro trimestre. No entanto, as informações sobre o comportamento do índice de preços PCE em setembro ajudaram a minimizar a pressão sobre o mercado. O núcleo do índice de preços PCE subiu 0,2% em setembro, em linha com as estimativas. Na comparação com o de setembro do ano passado, o índice subiu 2,4%, reduzindo ritmo em relação à variação anual de agosto, quando o índice subiu 2,5%. Às 11h30 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,13% e o Nasdaq cedia 0,21%. No sábado, a Wal-Mart anunciou que suas vendas cresceram apenas 0,5% em outubro, menor aumento em quase seis anos. Anteriormente, a companhia havia previsto elevação entre 2% e 4% de suas vendas. Nas operações pré-mercado, os papéis da Wal-Mart chegaram a cair 2%. As ações da Verizon operaram de lado, embora tenha anunciado aumento de 2,8% em seu lucro líquido no terceiro trimestre, graças ao fortalecimento de suas operações de telefonia móvel, com o que a empresa conseguiu compensar os prejuízos registrados na operação de linhas fixas e o baixo crescimento na banda larga. O lucro líquido da empresa subiu para US$ 1,92 bilhão, ou US$ 0,66 por ação, no terceiro trimestre. As receitas cresceram 26% nos últimos três meses para US$ 23,35 bilhões. Analistas esperavam lucro em média de US$ 0,66 por ação e receitas de US$ 23,03 bilhões. As ações da Yahoo avançaram 2,6%, depois de ter sua recomendação elevada para compra - de neutra - pela Merrill Lynch. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.