Bolsas de Nova York abrem em leve alta após PIB

Às 12h52 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,06% e o S&P-500 registrava alta de 0,08%. O índice Nasdaq, que acusou problemas no início da sessão, ainda não apontava variações

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado ,

28 de janeiro de 2011 | 13h02

As Bolsas de Nova York abriram o dia em leve alta, após a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no quarto trimestre de 2010. Os números mostraram que a economia norte-americana segue seu curso de recuperação, com crescimento nos gastos com consumo. Por outro lado, o investidor está atento aos balanços corporativos e não gostou do que viu nos números da Ford. Às 12h52 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,06% e o S&P-500 registrava alta de 0,08%. O índice Nasdaq, que acusou problemas no início da sessão, ainda não apontava variações.

O índice Dow Jones continua flertando com a marca psicológica dos 12 mil pontos e ontem fechou em alta de 0,04%, aos 11.989,83 pontos. Para o economista Robert Shiller, da Universidade de Yale, os mercados de ações têm subido demais nos países desenvolvidos. "Diria que o mercado está sobrevalorizado. E estou falando dos Estados Unidos e provavelmente da Europa", afirmou em Davos, na Suíça, onde ocorre o Fórum Econômico Mundial.

O PIB dos EUA cresceu 3,2% no quarto trimestre do ano passado, segundo dados preliminares divulgados hoje, ficando abaixo da estimativa média, de 3,5%, mas ainda assim mostrando que a economia segue em ritmo de expansão. O PIB dos EUA cresceu 2,6% no terceiro trimestre, 1,7% no segundo trimestre e 3,7% no primeiro trimestre de 2010. No ano, o PIB norte-americano avançou 2,9%, ante queda de 2,6% em 2009. Essa foi a maior taxa de crescimento em cinco anos.

Os gastos com consumo, que correspondem a cerca de 70% da demanda na economia dos EUA, subiram 4,4% no quarto trimestre, o maior nível desde o início de 2006 e duas vezes maior que o aumento médio dos gastos nos três trimestres anteriores. Os custos da mão de obra cresceram 0,4% no quarto trimestre. Já o núcleo do índice de preços para gastos com consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) subiu à taxa anualizada de 0,4% no quarto trimestre, depois de crescer 0,5% no terceiro trimestre. O índice cheio do PCE subiu 1,8%, ante 0,8% no trimestre anterior.

Entre as principais companhias negociadas em bolsa, a varejista online Amazon teve lucro líquido de US$ 0,91 por ação no quarto trimestre, acima da projeção de analistas, de US$ 0,88 por ação. Porém, as margens de operação para o período ficaram em 3,8%, abaixo da expectativa, de 4,2%. Já a Ford informou hoje que o rendimento líquido no quarto trimestre de 2010 caiu para US$ 0,05 por ação, bem abaixo da estimativa de ganhos, de US$ 0,48 por ação. A Farmacêutica Sanofi-Aventis anunciou que os testes clínicos de seu remédio para tratamento de câncer de mama não mostraram melhora na taxa de sobrevivência e nem frearam o avanço da doença.

A companhia de software Microsoft divulgou lucro de US$ 0,77 por ação no segundo trimestre fiscal, acima da estimativa de ganho de US$ 0,68 por ação. Mas o lucro na unidade do Windows, que costuma ser dos mais rentáveis, caiu para US$ 3,3 bilhões, ante US$ 5,4 bilhões. Ainda no setor de tecnologia, o site de relacionamento profissional LinkedIn entrou com pedido para fazer oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

A gigante de alimentos Sara Lee já rejeitou duas ofertas de compras, da brasileira JBS e do consórcio liderado pela Apollo Management. Agora, estaria considerando separar seus negócios de café e carne.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesbolsasNYaltaPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.