Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Bolsas de Nova York apresentam desvalorização

Os índices futuros dos mercados de ações dos Estados Unidos abriram em queda hoje e acentuaram a desvalorização após a divulgação de dados que apontaram aumento, acima do esperado, do custo da mão-de-obra no primeiro e segundo trimestres nos EUA. Na abertura do pregão viva-voz, o índice Dow Jones perdia 0,3%, aos 11.434 pontos e o Nasdaq recuava 0,83%, aos 2.187 pontos. O custo da mão-de-obra foi revisado para uma alta anual de 4,9% no segundo trimestre, de 4,2% na estimativa anterior. O dado surpreendeu os economistas, que previam variação de 4,1%. O custo da mão-de-obra no primeiro trimestre foi revisado para 9%, de uma estimativa preliminar que indicava aumento de apenas 2,5%. O ganho de produtividade foi revisado para 1,6% no segundo trimestre, confirmando as expectativas. A despeito de indicar pressões inflacionárias no mercado de trabalho, os dados não alteraram as apostas quanto aos próximos passos do Fed. No mercado de Fed Funds futuros, não houve alteração na projeção de que há 12% de chance de o Fed elevar a taxa de juro na reunião do dia 20 de setembro. No pré-mercado, as ações da Ford subiam 3,5%, após a empresa anunciar a contratação de um nome de fora do setor automotivo para ser seu executivo-chefe. O escolhido foi Alan Mullaly, de 61 anos, executivo sênior da Boeing. O atual executivo-chefe, Bill Ford, de 49 anos, continuará na presidência da terceira maior montadora dos EUA. As ações da Intel perdiam 0,7%, após a empresa informar, ontem, que vai cortar 10,5 mil empregos, ou cerca de 10% de sua força de trabalho, até a metade do ano que vem, como parte de um amplo programa de reestruturação. Às 13h13, o índice Dow Jones recuava 0,43%, para 11.420 pontos, e o Nasdaq perdia 1,29%, para 2.177 pontos.

Agencia Estado,

06 de setembro de 2006 | 13h14

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.