Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Esther Egea/EFE
Esther Egea/EFE

Bolsas de Nova York e Europa fecham em alta, apoiadas no bom desempenho do petróleo

Contratos da commodity subiram até 4,6% nesta quarta, ainda se recuperando do tombo do começo da semana; avanço da variante Delta do coronavírus continuou no radar

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2021 | 17h30

Os principais índices do exterior fecharam em alta nesta quarta-feira, 21, ainda em movimento de recuperação, após a forte queda da segunda-feira. Os contratos de petróleo também voltaram a subir, diante do cenário positivo para a demanda da commodity nos Estados Unidos.

No começo da semana, houve aversão a risco generalizada devido ao temor de que a disseminação da cepa Delta do coronavírus, que é mais contagiosa que as anteriores, leve à imposição de mais restrições às atividades econômicas, com consequente desaceleração da retomada no mundo. Nesse cenário, com o começo das Olimpíadas de Tóquio, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse que é impossível eliminar o risco da covid durante as competições. 

Em um dia com poucos catalisadores, ajudou na recuperação dos mercados o bom desempenho do petróleo, ainda se recuperando do tombo de mais de 7% de segunda-feira, hoje, o WTI para setembro fechou em alta de 4,61%, em US$ 70,30 o barril em Nova York, enquanto o Brent para o mesmo mês subiu 4,15%, a US$ 72,23 o barril em Londres. Em resposta, ações de petroleiras subiram na Europa, com destaque para BPRoyal Dutch Shell, em altas de 3,32% e 2,01% cada.

O resultado veio apoiado no relatório do Departamento de Energia americano, que apontou para uma alta de 2,107 milhões de barris, a 439,687 milhões de barris, na semana encerrada em 16 de julho. Apesar do resultado negativo, o documento também trouxe uma boa noitícia, ao apontar para uma queda nas reservas de gasolina e destilados. A Capital Economics analisa que "desde que a variante Delta não leve à reimposição de restrições", a demanda do produto deve aumentar gradualmente nas próximas semanas, o que pesará sobre os estoques de petróleo bruto.

Bolsa de Nova York

A Bolsa de Nova York foi beneficiada nesta quarta pelo bom desempenho do petróleo, com o Dow Jones em alta de 0,83% e o S&P 500, de 0,82%. O maior ganho foi do Nasdaq, que subiu 0,92%.

Bolsas da Europa

O clima foi extremamente positivo no velho continente, que aguarda a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) que sai amanhã. O índice Stoxx 600, que concentra as principais empresas da região, subiu 1,65%, enquanto a Bolsa de Londres teve ganho de 1,70%, Paris, de 1,85% e Frankfurt, de 1,36%.

Milão, Madri e Lisboa tiveram altas de 2,50%, 2,36% e 1,78% cada.

Bolsas da Ásia

Os índices ficaram mistos na Ásia, com investidores ainda precificando o avanço da variante Delta. Os índices chineses de XangaiShenzhen subiram 0,7% e 1,5% cada, enquanto Tóquio teve ganho de 0,6%. Na contramão, Seul teve baixa de 0,5%, Hong Kong recuou 0,1% e Taiwan cedeu 0,40%. 

Na Oceania, a bolsa australiana subiu 0,8%, mesmo em meio ao lockdown no país para conter a piora  da pandemia de covid-19. /MAIARA SANTIAGO, ILANA CARDIAL, MATHEUS ANDRADE E IANDER PORCELLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.