Bolsas de Nova York operam em forte queda

As bolsas norte-americanas caem forte, diante do conflito entre o exército de Israel e o grupo islâmico Hezbollah e a sustentação do petróleo em nível próximo ao recorde. O exército de Israel realizou hoje novos ataques aéreos na região suburbana ao sul da capital do Líbano, Beirute, tendo como alvo a estação de rádio que pertence ao Hezbollah. É a segunda vez hoje que aviões militares israelenses atiram contra região residencial ao sul de Beirute, onde se encontra boa parte da liderança do grupo. O exército voltou também a atacar o aeroporto da cidade, pela terceira vez desde ontem, assim como a principal estrada de ligação do Líbano à Síria. O Hezbollah também tem respondido à ofensiva israelense, com lançamento de mísseis contra Israel. O Conselho de Segurança das Nações Unidas deve discutir a questão em reunião de emergência hoje. Às 13h01 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,93% e o Nasdaq perdia 0,83%. O desempenho das ações da General Electric (-1,19%) e da Ford (-3,5%) também não ajudavam. A General Electric divulgou crescimento de 4% no lucro líquido e 11% no lucro com operações continuadas no segundo trimestre, resultados que confirmaram as expectativas dos analistas. A Ford é pressionada pelo rebaixamento em dois graus em seu rating pela agência de classificação de risco Moody's, para "B2", aprofundando o grau especulativo de seus papéis. A Moody's citou o alto preço dos combustíveis e mudanças nas preferências dos consumidores para justificar o rebaixamento. O petróleo atingiu o nível recorde intraday (durante o dia) de US$ 78,40 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) durante o after-hours (pregão posterior ao fechamento do pregão regular) e nesta manhã operou próximo a esse nível. No mesmo horário acima, valia US$ 77,25 o barril, alta de 0,78%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.