Bolsas de Nova York sobem: S&P 500 atinge novo recorde

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta segunda-feira, 29, após a divulgação de indicadores econômicos positivos nos EUA e com o fim das tensões políticas na Itália. Além disso, há a expectativa com as reuniões do Banco Central Europeu (BCE) e do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve. Com a alta, o índice S&P 500 fechou em um novo nível recorde.

Agencia Estado

29 de abril de 2013 | 17h56

O índice Dow Jones ganhou 106,20 pontos (0,72%) e fechou a 14.818,75 pontos. O Nasdaq avançou 27,76 pontos (0,85%), encerrando a sessão a 3.307,02 pontos, o maior nível desde novembro de 2000. O S&P 500 teve alta de 11,37 pontos (0,72%), fechando a 1.593,61 pontos, uma nova máxima histórica.

Os indicadores divulgados nos EUA contribuíram para o clima positivo nos mercados. A renda pessoal subiu 0,2%, embora o avanço tenha sido menor do que a alta de 0,4% esperada, e os gastos pessoais cresceram 0,2% em março, ante previsão de estabilidade. Por sua vez, as vendas pendentes de imóveis aumentaram 1,5% em março, mais do que o ganho de 1,0% previsto, e atingiram o nível mais alto desde abril de 2010. A decepção ficou por conta do índice de atividade das empresas do Federal Reserve de Dallas, que caiu para -15,6 em abril.

O governo dos EUA também informou que o índice de preços dos gastos com consumo pessoal (PCE) subiu 1,0% em março, na comparação com igual mês do ano passado. A meta de inflação anual do Fed é de 2,0%. Diante de mais esse sinal de que a pressão inflacionária está contida nos EUA, aumentaram as expectativas de que o Fed mantenha o programa de compra de bônus após a reunião de política monetária de terça e quarta-feiras.

No noticiário corporativo, o setor tecnológico liderou as altas hoje, com destaque para Hewlett-Packard (+2,65%), Microsoft (+2,58%) e IBM (+2,49%). A Apple avançou 3,09%, após enviar para a Securities and Exchange Commission (SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA) a documentação necessária para a emissão do seu primeiro bônus.

A farmacêutica Pfizer, que divulga balanço na terça-feira, 30, teve valorização de 1,13%, enquanto a rival Merck, que libera seus resultados na quarta-feira, perdeu 0,10%. Ambas fazem parte do Dow Jones. Segundo dados da FactSet, mais da metade dos componentes do índice já divulgaram seus resultados, sendo que 73% superaram as previsões dos analistas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaqfechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.