Bolsas de Nova York voltam a terminar o dia com perda

O mercado norte-americano de ações voltou a sofrer queda forte, em dia marcado pela escalada da violência no Oriente Médio e por novo recorde nos preços do petróleo. O índice Dow Jones sofreu queda de mais de 100 pontos pelo terceiro dia consecutivo, o que não acontecia desde abril de 2005, e agora acumula uma alta de apenas 0,20% em 2006. O Nasdaq sofreu sua maior queda em três dias consecutivos (4,3%) desde abril do ano passado; o S&P-500 sofreu sua maior queda em três dias consecutivos (2,85%) desde outubro de 2005. Em termos porcentuais, esta foi a pior semana para o Dow Jones e para o Nasdaq desde abril do ano passado. Depois de ter atingido a máxima de 2006 em 10 de maio, o Dow Jones perdeu cerca de 8%. "A maior parte do movimento que vimos estava relacionada aos acontecimentos no Oriente Médio e à alta do petróleo, pontilhada também pela decepção com alguns informes de resultados de empresas. Está incrivelmente difícil ser otimista nesse ambiente", comentou o estrategista-chefe da Wells Capital Management, Jim Paulsen. As ações da General Electric caíram 1,71%, depois de a empresa divulgar resultados. As da General Motors recuaram 3,00%, em meio à apreensão sobre a reunião entre seu executivo-chefe, Rick Wagoner, e o CEO da Renault/Nissan, Carlos Ghosn. As ações da Ford caíram 2,74%, depois de a Moody's rebaixar seu rating de qualidade de crédito de "Ba3" para "B2". As da Wal-Mart caíram 2,51%, em reação ao fraco indicador de vendas no varejo em junho. A alta dos preços do petróleo derrubou as ações das companhias aéreas (AMR -7%, US Airways -2,7%, Continental -4,4%), mas beneficiou as da Exxon Mobil (+1,30%). A temporada de divulgação de informes de resultados de empresas norte-americanas esquenta na próxima semana, com Citigroup e Eaton Corp. na segunda-feira; Coca-Cola, Johnson & Johnson, Merrill Lynch, United Technology, Wells Fargo e Yahoo na terça; Abbott Labs, AMR, Apple Computer, Bank of America, eBay, General Dynamics, Intel, JP Morgan, Juniper Networks, Mellon Financial, Motorola, Novellus Systems, Qualcomm e Unisys na quarta-feira; AMD, Broadcom, Continental Airlines, DR Horton, Dow Jones & Co., Fairchild Semiconductor, Ford Motor, Google, Hershey, Honeywell, Johnson Controls, Microsoft, Pfizer, PMC-Sierra e Wachovia na quinta-feira; e Caterpillar, Halliburton, Eli Lilly e Schlumberger na sexta. O índice Dow Jones fechou em queda de 106,94 pontos (0,99%), em 10.739,35 pontos. A mínima foi em 10.701,34 pontos e a máxima em 10.848,37 pontos. O Nasdaq fechou em queda de 16,76 pontos (0,82%), em 2.037,35 pontos, com mínima em 2.027,11 pontos e máxima em 2.056,53 pontos. O Standard & Poor's-500 caiu 6,10 pontos (0,49%), para 1.236,19 pontos. O NYSE Composite recuou 41,78 pontos (0,52%), para 7.950,07 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,721 bilhão de ações, de 1,784 bilhão ontem; 1.072 ações subiram, 2.238 caíram e 148 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume ficou em 1,813 bilhão de ações negociadas, de 2,057 bilhões ontem, com 957 ações fechando em alta e 2.036 em queda. Na semana, o Dow acumulou uma queda de 3,17%, o Nasdaq, uma perda de 4,35% e o S&P-500, um recuo de 2,31%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.