Bolsas de NY abrem em alta à espera de dados

Às 11h34, o índice Dow Jones subia 0,41%, o Nasdaq avançava 0,52% e o S&P-500 registrava alta de 0,44%

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado ,

28 de fevereiro de 2011 | 11h37

As Bolsas de Nova York abriram o dia em alta, de olho nos dados que serão divulgados ao longo da semana e diante dos temores em relação aos conflitos na Líbia e na região. Às 11h34 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,41%, o Nasdaq avançava 0,52% e o S&P-500 registrava alta de 0,44%.

Na manhã de hoje, o petróleo registrava perdas, enquanto as ações do setor avançavam. O presidente da Líbia, Muamar Kadafi, está agora pendurado por um fio no poder, com todas as principais cidades do país tomadas pelos manifestantes da oposição. A capital Trípoli está perto de ser tomada. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, já pediu que o ditador saia do posto que ocupa há mais de 41 anos. O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou, no sábado, sanções contra o governo líbio, como o congelamento de bens e o embargo de armas. Já a Arábia Saudita elevou sua produção de petróleo para 9 milhões de barris por dia, um aumento de 500 mil a 600 mil barris por dia, para suprir a oferta da Líbia.

O destaque na lista de indicadores norte-americanos nesta semana é o relatório oficial de emprego (payroll), que sai na sexta-feira. Após a decepção com a criação de apenas 36 mil vagas de trabalho em janeiro, a expectativa agora é de um aumento de 192 mil vagas em fevereiro. A taxa de desemprego deve subir para 9,1% em fevereiro, ante 9% em janeiro.

Hoje, será importante olhar com mais atenção as vendas pendentes de imóveis residenciais em janeiro, a serem divulgadas às 12 horas (horário de Brasília). Indicadores divulgados nos EUA pela manhã não mexeram com o humor de Wall Street. O gasto dos consumidores em janeiro cresceu 0,2%, enquanto a renda pessoal avançou 1%. O índice de preços dos gastos com consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) subiu 0,3% em janeiro na comparação com dezembro.

Entre as principais empresas cotadas em bolsa, a montadora sul-coreana Hyundai informou ontem que irá colocar mais um turno na planta da República Checa, para atender a crescente demanda, o que vai significar a criação de cerca de mil postos de trabalho. Já a companhia de negócios imobiliários para o setor de saúde Nationwide Health Properties Inc. pode ser comprada pela Ventas Inc. por cerca de US$ 5,8 bilhões. O JPMorgan anunciou que um novo fundo do banco estaria interessado em comprar 10% do Twitter por cerca de US$ 450 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesbolsasNYDow JonesNasdaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.