Bolsas de NY abrem em alta com revisão para cima do PIB

A revisão do Produto Interno Bruto (PIB, conjunto das riquezas geradas no país) norte-americano do quarto trimestre de 2006 para uma expansão de 2,5%, superando a projeção de analistas, aliada a uma queda maior do que o esperado no número de pedidos de auxílio-desemprego, favorece uma abertura em alta hoje das Bolsas de Nova York. Às 10h35, o índice Dow Jones ganhava 0,61% e o Nasdaq subia 0,62%. O pregão viva-voz teve início às 10h30. As ações da Intel, componente do Dow Jones, devem ficar no centro das atenções, com a divulgação dos detalhes da reunião com analistas que ocorreu ontem, onde foi dito que a empresa irá implementar mudanças de design para estimular a performance dos microprocessadores, incluindo técnicas adotadas pela concorrente Advanced Micro Devices (AMD). Segundo analistas do Bank of America Securities, as mudanças serão positivas para a Intel, em detrimento da ADM. As ações da Intel subiram 1% no pré-mercado. As ações da Boeing subiram 0,5% com o anúncio de que a maior companhia aérea colombiana, a Avianca, irá comprar 10 aviões 787 Dreamliners da Boeing. As notícias de fusões e aquisições também devem atrair a atenção dos investidores. As ações da BCE, proprietária da Bell Canada, dispararam 11% no pré-mercado com as notícias de que pode ser alvo da maior oferta de compra já lançada nos EUA pelo grupo liderado por Kohlberg Kravis Roberts. Segundo o jornal "The Globe", a oferta pode atingir até US$ 25 bilhões. Por sua vez, a US Steel anunciou que vai comprar a Lone Star Technologies por US$ 2,1 bilhões, ou US$ 67,50, o que representa um ágio de 39% do fechamento das ações da Lone Star ontem. As ações da Lone Star dispararam 37% no pré-mercado, enquanto as da US Steel perderam 0,2%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.