Bolsas de NY abrem em queda, à espera de livro bege

As bolsas de Nova York abriram em queda, pressionadas pelo recuo de 18% das ações da Amazon. Sun Microsystem, que anunciou balanço ontem. Às 10h44, o índice Dow Jones perdia 0,30% e o Nasdaq operava com variação negativa de 0,61%. A agenda de indicadores é fraca pela manhã e discussões mais relevantes sobre o futuro da economia dos Estados Unidos ficarão para o período da tarde, com a divulgação, às 15 horas (de Brasília), do livro bege - um sumário sobre as condições da economia americana que servirão de base para a próxima reunião do Fed (o banco central americano), no dia 8 de agosto. O petróleo pode também atrair as atenções, a partir das 11h30 (de Brasília), caso o nível das reservas norte-americanas de gasolina tenha se desviado na semana passada da projeção média de retração de 280 mil barris ao dia. Por enquanto, o petróleo sobe levemente, com o conflito no Oriente Médio e ameaças à produção da Nigéria no pano de fundo. A General Motors subiu 4,8% no pré-mercado, com a informação de lucro ajustado acima da previsão dos analistas. Excluindo itens, principalmente a despesa considerável de US$ 3,7 bilhões relacionada com atividades de reestruturação, o grupo obteve um lucro ajustado de US$ 1,2 bilhão (US$ 2,03 por ação) no período. Os analistas previam lucro de US$ 0,55 por ação no trimestre encerrado em junho. Os papéis da Amazon amargaram queda de 18%. Depois do fechamento do mercado no dia anterior, a Amazon informou que registrou um lucro líquido de US$ 22 milhões (US$ 0,05 por ação) no segundo trimestre, de um lucro de US$ 52 milhões (US$ 0,12 por ação) registrado em igual período de 2005, quando a companhia não havia incluído as despesas de opções de ações em seu resultado. A expectativa era de um lucro de US$ 0,07 por ação para o segundo trimestre. As ações da Boeing recuaram 1,2% nas operações realizadas antes da sessão regular de Nova York, com a divulgação de prejuízo de US$ 160 milhões ou US$ 0,21 por ação no segundo trimestre, segundo o website MarketWatch. O prejuízo não chegou a superar o previsto pelos analistas, que projetavam perdas de US$ 0,22 por ação, informa a agência Dow Jones. Os papéis da Sun subiram 3,9%. A empresa anunciou prejuízo no segundo trimestre, citando vários encargos de reestruturação, apesar do crescimento de 29% de sua receita. A Sun informou que teve um prejuízo líquido de US$ 301 milhões (US$ 0,09 por ação) no segundo trimestre, de um lucro de US$ 50 milhões (US$ 0,01 por ação) registrado em igual período de 2005. A estimativa de analistas era um prejuízo de US$ 0,03 por ação sobre uma receita de US$ 3,6 bilhões. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.