Bolsas de NY acentuam perdas e pressionam Bovespa

Em Wall Street, o Dow Jones recuava 0,27%, o S&P tinha perda de 0,30% e o Nasdaq operava em queda de 0,34%

Ana Luísa Westphalen, Agência Estado

28 de julho de 2014 | 11h21

Após oscilar entre altas e baixas, a Bovespa seguia em baixa, acompanhando os mercados acionários em Nova York, onde indicadores piores do que o esperado aprofundaram as perdas dos índices das bolsas por lá. No mercado local, Vale sobe, enquanto os papéis da Petrobras recuam, limitando os ganhos do índice à vista. As perspectivas mais otimistas em relação à economia chinesa, que ajudaram as bolsas asiáticas nesta segunda-feira, 28, trazem apetite pelas ações da mineradora. Na esteira, as siderúrgicas também são beneficiadas. A Bovespa recuava 0,13% às 11h05, aos 57.770,03 pontos.

Vale ON e PNA subiam 1,58% e 1,21%, nesta ordem. O governo chinês disse nesta segunda-feira que a economia deverá melhorar ainda mais no segundo semestre enquanto a inflação deverá permanecer estável, com o índice de preços ao consumidor fechando o ano de 2014 ao redor de 2,3%. Além disso, o lucro industrial na China cresceu 17,9% no lucro em junho deste ano, na comparação com mês igual de 2013. No setor de siderurgia, Gerdau PN tinham alta de 1,83%, seguida por Usiminas PNA (+1,01%) e CSN (+1,42%).

O setor financeiro, que esteve no foco na sexta-feira, 25, após novas medidas de crédito anunciadas pelo Banco Central, não mostram uma direção única, com Itaú Unibanco em baixa de 0,14% e Bradesco PN, em alta de 0,34%. Segundo apurou o Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, analistas avaliam que as medidas não surtiram grande impacto devido à piora da qualidade da carteira dos clientes, que tem freado o avanço da liberação de crédito.

Em Wall Street, o Dow Jones recuava 0,27%, o S&P tinha perda de 0,30% e o Nasdaq operava em queda de 0,34%. A queda foi acentuada há pouco, com a divulgação do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor de serviços dos EUA. O indicador ficou estável em 61,0 em julho, mesmo patamar de junho, segundo dados preliminares publicados pela Markit. Resultados acima da marca de 50,0 indicam expansão de atividade. O PMI composto, que abrange indústria e serviços, caiu para 60,9 em julho, de 61,0 em junho.

Para piorar, o índice sazonalmente ajustado de vendas pendentes de imóveis nos EUA caiu 1,1% em junho ante maio, a 102,7, segundo a Associação Nacional dos Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês). O resultado contrariou previsão de analistas consultados pela Dow Jones Newswires, de alta de 0,5%. Na comparação anual, o índice recuou 7,3% em junho. As vendas pendentes de moradias medidas pela NAR geralmente se traduzem em vendas de moradias usadas um ou dois meses depois.

A agenda carregada da semana também impõe cautela. Entre os destaques estão a decisão de política monetária do Federal Reserve, o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no segundo trimestre e o relatório oficial de emprego em junho (payroll). Outro fator que mantém os investidores na defensiva é a tensão no leste europeu, após a União Europeia (UE) estender as sanções impostas contra a Rússia e depois de os EUA mostrarem foguetes sendo disparados de território russo para a fronteira com a Ucrânia. Na Faixa de Gaza, Israel e Hamas passaram o fim de semana ensaiando um cessar-fogo, mas os ataques prosseguem na região.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaNY

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.