Bolsas de NY adotam cautela antes de discurso do BC

Os principais índices de ações do mercado norte-americano tiveram um desempenho desigual nesta segunda-feira, com os participantes do mercado adotando a cautela antes do discurso desta noite do presidente do Federal Reserve (o BC americano), Ben Bernanke, sobre curva de juros e política monetária num evento em Nova York, segundo operadores. O padrão de oscilação próximo dos níveis de fechamento anterior, que predominou durante a sessão, foi visto como uma pausa após os ganhos da semana passada. Os investidores também hesitaram em fazer movimentos mais ousados antes do discurso de Bernanke. John Forelli, vice-presidente sênior da Independence Investments, disse que os investidores querem que o novo presidente do Fed sinalize que o fim do ciclo de aperto monetário está próximo, especialmente depois da série de indicadores econômicos ligeiramente abaixo das expectativas da semana passada, que reduziram os temores de inflação. "Se ele (Bernanke) der alguma indicação de que estamos nos aproximando do fim do ciclo de aperto monetário, isso será bom. Se ele disser que vão continuar a manter o aperto porque realmente querem combater a inflação, isso será interpretado de forma negativa", disse Forelli. Entre as blue chips (papéis de primeira linha), destaque para as ações da Wal-Mart Stores Inc, que subiram 2,29%, para US$ 47,76, alcançando o nível mais elevado do ano, depois de a companhia ter anunciado planos para expandir suas operações na China. As ações da Microsoft fecharam em alta de 1,42%, depois que o Goldman Sachs disse que a gigante de software está posicionada para um crescimento acelerado e que as impressões iniciais do primeiro teste completo da versão Windows Vista são "muito positivas". Segundo o banco de investimentos, o novo software poderá gerar um crescimento adicional de US$ 1 bilhão a US$ 1,5 bilhão nos primeiros 18 meses. O índice Dow Jones fechou em baixa de 0,05%, em 11.274,53 pontos. O Nasdaq fechou em alta de 0,33%, em 2.314,11 pontos. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.