Bolsas de NY caem com nervosismo sobre ata do Fed

O nervosismo com o que o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) afirmará no comunicado que divulgará quinta-feira, em conjunto com a decisão sobre a taxa de juros nos EUA, mina as compras em Wall Street. Às 13h08, o índice Dow Jones cedia 0,80% e o Nasdaq recuava 0,83%. Os papéis da General Motors caíam 4,9%, após a companhia informar que junho será seu melhor mês de vendas, mas o desempenho quando comparado ao ano passado parecerá brutal, sugerindo um número mais fraco do que o de 2005. O volume negociado de papéis da GM era de 14,8 milhões, ante um giro médio diário de 12,5 milhões de ativos. No pré-mercado, os papéis da empresa subiam, em reação ao balanço do programa de demissão voluntária. A empresa informou, ontem à noite, que 35 mil trabalhadores sindicalizados, mais de um quarto de seus trabalhadores sindicalizados, aceitaram propostas de antecipar a aposentadoria ou entraram no programa de demissão voluntária. Os papéis da DuPont perdiam 2,5%, após a Vivendi ter anunciado a venda de 16,4 milhões de ações da gigante química norte-americana por US$ 671 milhões. O petróleo para agosto era negociado em alta de 0,70%, a US$ 72,30 por barril, na Nymex, contribuindo para estimular as vendas em Nova York. Os dados macroeconômicos divulgados hoje corroboraram a visão de que a economia norte-americana resiste ao impacto desacelerador dos juros mais elevados. A Associação Nacional dos Corretores de Imóveis informou queda de 1,2% nas vendas de imóveis residenciais usados em maio, para a média de 6,67 milhões de unidades. Economistas previam recuo de 1,8% nas vendas. A Conference Board informou que o índice de confiança do consumidor de junho subiu para 105,7, de um nível revisado para 104,7 em maio. A estimativa era uma alta do índice para 104,0. O dado de confiança original de maio foi 103,2. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

27 de junho de 2006 | 13h11

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.