Bolsas de NY caem, com temor de desaceleração acentuada

A queda do núcleo do índice de preços ao produtor (PPI) nos EUA em agosto, contrariando a previsão de alta, e o declínio acentuado de 6% do número de construções de residências iniciadas no mês passado, o dobro do recuo de 3% esperado, fizeram aumentar o receio entre os investidores de uma desaceleração mais acentuada da economia norte-americana. Os sinais de cautela para o mercado, no entanto, já haviam sido dados desde a noite de ontem, quando o diretor-gerente do FMI, Rodrigo de Rato, disse em Cingapura que o ciclo de expansão econômica pode estar perto do pico e que o protecionismo pode exacerbar os riscos provenientes de pressões inflacionárias e dos desequilíbrios em transações correntes. Depois, na Alemanha, foi divulgado um índice de sentimento econômico muito fraco (ZEW). A alta dos preços do petróleo, provocada por problemas no Golfo do México, vem para completar esse cenário. Em meio a tudo isso, os índices de ações de Nova York não seguraram a alta e migraram para o território negativo poucos minutos depois da abertura. Às 11h10 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,15% e o Nasdaq cedia 0,06%. Os juros dos títulos do Tesouro dos EUA, por sua vez, acentuaram a queda em relação aos níveis do início do dia. O do título de 10 anos estava em 4,7556% ao ano.

Agencia Estado,

19 de setembro de 2006 | 11h12

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.