Bolsas de NY caem em meio a crise na Europa

O índice Dow Jones recuou 1,08%, enquanto o Nasdaq caiu 1,57%. Já o S&P 500 teve baixa de 1,42%

Gustavo Nicoletta, da, Agência Estado

18 de maio de 2010 | 19h03

Os principais índices do mercado de ações dos Estados Unidos fecharam o dia em queda, em meio às dúvidas sobre o plano para conter as crises sistêmicas na Europa. A notícia de que a Alemanha pretende impor limites às negociações de venda a descoberto a partir de amanhã também provocou nervosismo entre os investidores.

O índice Dow Jones recuou 1,08%, para 10.510,95 pontos, o menor nível de fechamento desde 7 de maio. O Nasdaq Composite caiu 1,57%, para 2.317,26 pontos, enquanto o S&P 500 teve baixa de 1,42%, para 1.120,80 pontos.

Segundo o Ministério de Finanças da Alemanha, o país proibirá a prática do "naked short selling" com as ações de dez das principais instituições financeiras do país e com os credit default swaps (CDS) de bônus soberanos da zona do euro, a partir da 0h de quarta-feira. O "naked short selling" ocorre quando um participante do mercado vende a descoberto um ativo financeiro (ação) sem antes ter tomado emprestado esse ativo ou sem ter garantias de que poderia realizar tal empréstimo.

"Isso só reforça que estamos num ambiente de endividamento e risco elevados e que, na verdade, não tivemos progresso", disse Ben Halliburton, executivo-chefe de investimentos da Tradition Capital Management. "Alguns desses problemas podem retornar se tivermos defaults (calotes) com efeito dominó na Europa que tenham impacto sobre o sistema bancário dos EUA."

Halliburton acrescentou que o lucro das companhias que exportam para a Europa pode cair por conta das taxas de câmbio, já que o dólar continua ganhando força ante o euro. "Vamos começar a ver algumas revisões para baixo nas estimativas de lucros", previu. "Estamos em um período de volatilidade significativa. Quando as projeções começarem a encolher, os preços das ações provavelmente farão o mesmo."

Hoje, a American Express teve a queda mais acentuada entre os componentes do Dow Jones, de 3,35%. Em seguida, aparecem Boeing (baixa de 2,83%) e Intel (recuo de 2,59%). A Home Depot, que anunciou um aumento de 41% em seu lucro do primeiro trimestre, em relação a igual período do ano passado, recuou 2,42%. O mercado considerou conservadora a projeção da companhia para os lucros no ano.

O Walmart foi o único integrante do Dow Jones que fechou a sessão em alta, de 1,84%, após divulgar que seu lucro no primeiro trimestre cresceu 10%. A Hewlett Packard (HP), que divulgou balanço após o fechamento das bolsas, teve declínio de 1,56%. Segundo a companhia, seu lucro no segundo trimestre fiscal cresceu 28%, diante de um aumento nas vendas mundiais e de um crescimento de 23% nos lucros na unidade de computadores pessoais.

Na New York Stock Exchange (Nyse), o volume negociado alcançou 1,525 bilhão de ações, de 1,441 bilhão de ações ontem. Na Nasdaq, o volume somou 2,367 bilhões de ações, de 2,308 bilhões de ações ontem; 716 ações subiram e 2.041 caíram. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
açõesBolsasNova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.