Bolsas de NY devem abrir perto da estabilidade

Os índices futuros das bolsas de Nova York sugerem uma abertura incerta nos mercados à vista, após a divulgação de indicadores mistos sobre a economia norte-americana, enquanto os investidores aguardam o depoimento da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, ao Comitê Bancário do Senado sobre o Relatório Semestral de Política Monetária. Além disso, a crise política na Ucrânia é outro fator de preocupação entre os agentes do mercado. Às 11h20 (de Brasília), no mercado futuro, o Dow Jones recuava 0,07%, enquanto Nasdaq avançava 0,07% e S&P 500 tinha baixa de 0,10%.

LUCAS HIRATA, Agencia Estado

27 de fevereiro de 2014 | 11h29

Os números semanais de pedidos de auxílio-desemprego e um indicador sobre bens duráveis foram divulgados simultaneamente. As solicitações do benefício a trabalhadores norte-americanos desempregados subiram 14 mil na semana encerrada em 22 de fevereiro, para 348 mil. O resultado foi bem pior do que a previsão dos analistas, que esperavam 335 mil solicitações.

Já as novas encomendas de bens duráveis nos EUA caíram menos que o esperado, ajudando a dar suporte aos índices futuros. O indicador recuou 1,0% em janeiro ante dezembro, ante uma previsão de baixa de 2,0%. Em destaque, as encomendas excluindo o setor de transportes, que é bastante volátil, subiram 1,1% em janeiro ante dezembro, a maior alta desde maio de 2013. Ainda hoje, o Fed de Kansas City publicará o índice de atividade industrial regional, às 13h.

A partir das 12h os investidores devem se concentrar nos comentários de Janet Yellen sobre o futuro da política monetária norte-americana. Segundo o colunista do Wall Street Journal Jon Hilsenrath, Yellen não deve apresentar uma postura muito diferente da adotada na audiência na Câmara, realizada em 11 de fevereiro, apesar de uma série de indicadores negativos, marcados em grande parte pelo rigoroso inverno no país.

Mais cedo, antes dos dados econômico, os índices futuros de ações operaram em queda em meio a preocupações com a Ucrânia após homens armados invadirem escritórios do governo na região da Crimeia e após o presidente deposto, Viktor Yanukovich, afirmar em um comunicado que ainda se considera o líder do país.

No noticiário corporativo, a Tesla Motors avançava 3,08% no pré-mercado depois de anunciar planos sobre uma grande fábrica de baterias, que deve custar até US$ 5 bilhões e empregará cerca de 6,5 mil pessoas. O complexo também permitirá que a empresa venda até 500 mil veículos por ano. As ações da Tesla já subiram 20% ao longo das últimas três sessões.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresNY

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.