Bolsas de NY em baixa, mas podem superar apreensão

As Bolsas de Nova York abriram em baixa, diante do nervosismo das bolsas européias com a descoberta no Reino Unido de planos de novos ataques terroristas envolvendo aviões comerciais. Às 10h52, o índice Dow Jones caía 0,10% e o índice Nasdaq recuava 0,25%. Alguns especialistas consideram a possibilidade de a pressão de baixa ser revertida ao longo do dia. Para o estrategista-chefe do SW Bach, Peter Cardillo, o mercado pode encontrar oportunidade de compra em algum momento. A Scotland Yard informou nesta manhã a prisão de pelo menos 21 pessoas que participavam de um plano para explodir aviões na rota entre os EUA e o Reino Unido. As ações das companhias aéreas devem puxar as perdas no mercado norte-americano. No pré-mercado, as ações da AMR Corp, que controla a American Airlines, caíram 6,4%. Os papéis da Continental Airlines perdiam 6,2%, as da JetBlue recuaram 4,8% e as da UAL, que controla a United Airlines, operaram em baixa de 7,6%. Os papéis da Boeing caíram mais de 2% em Frankfurt pressionados também por informações publicadas no The Wall Street Journal de que a Força Aérea dos EUA prossegue com a revisão de ajuste de contrato de US$ 412 milhões que a Boeing recebeu no programa de compra de aeronaves C-17, em novembro de 2000. Entre outros destaques do pré-mercado, os papéis da IBM operavam em baixa de 0,4%, com informações de que a FileNet Corp concordou adquirir a provedora de softwares de processos empresariais e de conteúdo de administração por US$ 1,6 bilhão. Os papéis da ImClone Systems caíram 11%, depois de conselho da companhia de biotecnologia concluir que a proposta de fusão, venda ou outras alternativas estratégicas não oferecerem prêmio suficiente aos acionistas. As informações são da Dow Jones e agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.