Bolsas de NY encerram em direções divergentes

Os mercados norte-americanos de ações chegaram ao fim do dia com os principais índices em direções divergentes e próximos dos níveis de ontem. O volume de ações negociadas na Bolsa de Nova York (NYSE) foi o menor do ano. "Quando o mercado percebeu que o presidente do Fed (Federal Reserve, banco central dos EUA), Ben Bernanke, não disse nada sobre taxas de juro, ele passou a mostrar sonolência e não houve muita atividade", comentou Brian Williamson, da Boston Company Asset Management. As ações da empresa de serviços fiscais e crédito hipotecário H&R Block caíram 8,7%, depois de a empresa anunciar que deverá ter uma despesa extraordinária de US$ 61,3 milhões no trimestre, por causa de perdas relacionadas à inadimplência de compradores de imóveis residenciais. Isso afetou as ações de outras empresas do setor, como Washington Mutual (-1,9%), Countrywide Financial (-2,4%) e New Century Financial (-5%). Algumas ações de construtoras recuperaram terreno, depois das fortes quedas recentes (Toll Brothers +2,2%, Lowe's +1,4%); as da Williams-Sonoma caíram 4,4%. No setor automotivo, as ações da Ford subiram 3,1%, em reação ao informe de que a OneEquity Partners, do JP Morgan, está em negociações para comprar algumas marcas de luxo da empresa, entre elas Land Rover, Volvo, Jaguar e Aston Martin. As ações das empresas de gás natural subiram, em reação a relatório da Merrill Lynch prevendo altas nos preços do produto durante o inverno do Hemisfério Norte (Forest Oil +3,5%, Newfield Exploration +4,8%, Pogo Production +2,6%). No setor de tecnologia, as ações da Corning subiram 2,4%, depois de o UBS elevar sua projeção de lucro. O índice Dow Jones fechou em queda de 20,41 pontos (0,18%), em 11.284,05 pontos. A mínima foi em 11.269,97 pontos e a máxima em 11.303,10 pontos. O Nasdaq fechou em alta de 3,18 pontos (0,15%), em 2.140,29 pontos, com mínima em 2.129,25 pontos e máxima em 2.152,92 pontos. O Standard & Poor's-500 recuou 0,97 ponto (0,07%), para 1.295,09 pontos. O NYSE Composite caiu 9,54 pontos (0,11%), para 8.318,03 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,072 bilhão de ações, de 1,259 bilhão ontem; 1,697 ações subiram, 1,573 caíram e 169 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume ficou em 1,324 bilhão de ações negociadas, de 1,436 bilhão ontem, com 1,591 ações fechando em alta e 1.419 em queda. Na semana, o Dow Jones acumulou uma queda de 0,86%, o Nasdaq, uma baixa de 1,09% e o S&P-500, uma perda de 0,55%. Títulos Os preços dos títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) voltaram a subir, com correspondente queda nos juros. O mercado deu continuidade ao movimento de alta da semana, em dia marcado por um discurso de Bernanke que não fez referência às perspectivas da economia, nem à política monetária. "Foi um anticlímax. O mercado não obteve nada, quando esperava pelo menos alguma direção moderada", disse o estrategista Jason Evans, do Deutsche Bank, referindo-se à fala de Bernanke. Estrategistas do mercado afirmaram que o juro dos papéis de 10 anos, tendo rompido o nível dos 4,80%, está se dirigindo para o próximo nível de resistência de 4,75%. "Já há uma quantidade tremenda de más notícias sobre a economia embutidas nos preços dos Treasuries. Por isso, acho que estamos chegando a um estágio em que ganhos adicionais nos preços só virão com indicadores significativamente mais fracos", comentou o chefe de estratégia para juros da Banc of America Securities, Michael Cloherty. A próxima semana será rica em indicadores e eventos importantes para o mercado, incluindo os leilões primários de títulos de 2 e de 5 anos, a divulgação da ata da última reunião do Fed e os indicadores de PIB, renda e gastos, atividade industrial (dos gerentes de compras de Chicago e nacionais), sentimento do consumidor e os dados do nível de emprego, além de novos discursos de Bernanke e de outros dirigentes do Fed. "Se vierem indicadores fracos, aparentemente eles já estão embutidos nos preços; mas, se os dados do nível de emprego saírem fortes, isso terá um grande impacto no mercado", observou o gerente de carteira Jamie Jackson, da RiverSource Investments. No fechamento em Nova York, o juro projetado pelos bônus de 30 anos estava em 4,924%, de 4,941% ontem; o juro dos papéis de 10 anos estava em 4,783%, de 4,803% ontem; o juro dos papéis de 2 anos estava em 4,855%, de 4,882% ontem. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.