Bolsas de NY fecham com ganho após forte volatilidade

As Bolsas fecharam em alta em Nova York, depois de um pregão marcado por drásticas reviravoltas, durante as quais o índice Dow Jones chegou a cair abaixo de 12 mil pontos pela primeira vez desde 6 de novembro. No fechamento, o Dow Jones ficou em 12.133,4 pontos, em alta de 57,4 pontos, ou 0,48%. Uma recuperação técnica, a alta do petróleo, que favoreceu as ações do setor de energia e uma temporária redução na aversão ao risco, que permitiu a recuperação do setor financeiro, foram citadas como razões para o repique final do Dow Jones. No total, o Dow Jones oscilou 203,33 pontos ao longo do dia. O índice chegou a cair 136,35 pontos, ou 1,1%, e subiu até 66,98 pontos, ou 0,6%. A variação representa a maior mudança do Dow Jones de território negativo para o positivo no ano. A extrema volatilidade ocorre em meio aos temores sobre uma desaceleração na economia dos EUA, ampliados pelo receio de contágio dos problemas do crédito hipotecário subprime (concedido a clientes de maior risco a juros maiores). Depois que o Dow Jones bateu na mínima do dia, os investidores voltaram às compras de ações que até então vinham vendendo agressivamente. Os movimentos de ida e volta do mercado devem continuar enquanto não houver um quadro mais claro da saúde da economia, disseram analistas. Os papéis das construtoras de residências são um notável exemplo. Perto do fim do pregão, as ações da KB Home subiam 4%, após perderem 5,4% na terça-feira. D.R. Horton ganhava 2,1%, depois de uma queda de 3,7% no pregão anterior. Houve também algumas espetaculares mudanças de direção durante o dia. Lehman Brother caía 0,5% perto do fim da sessão, após cair 5,5% logo depois de divulgar seus resultados. H&R Block virou para cima após cair 8,7% na esteira do anúncio de que enfrenta dificuldades com os créditos subprime e que não conseguiria publicar seu balanço do terceiro trimestre dentro do prazo. Entre as integrantes do Dow Jones, a líder de alta foi Microsoft (+2,5%), após a gigante de software confirmar que vai comprar a Tellme Networks, de tecnologia de voz na internet, por valor não divulgado. A Microsoft também está ampliando seu serviço de jogos online para PCs que usam o sistema operacional Windows, o que poderá aumentar a receita de sua unidade de entretenimento. Ainda no Dow Jones, Alcoa subiu 1,7%, Exxon Mobil ganhou 1,6%, JP Morgan Chase avançou 1,3% e 3M, 1,4%. General Motors, no entanto, caiu 0,9%, embora a empresa tenha retornado ao lucro no quarto trimestre. A montadora disse ontem que vai injetar US$ 1 bilhão na GMAC no primeiro trimestre após vender 51% da financeira em novembro. Os recursos representam um ajuste às perdas na unidade de empréstimos hipotecários da GMAC no quarto trimestre de 2006. Citibank subiu 0,7% após seus executivos afirmarem que o banco não elevará a oferta de US$ 13,4 bilhões à japonesa Nikko Cordial. O índice Dow Jones fechou em alta de 57,44 pontos, ou 0,48%, em 12.133,40 pontos. A mínima foi em 11.939,61 pontos e a máxima em 12.142,94 pontos. O Nasdaq subiu 21,17 pontos, ou 0,90%, e fechou na mínima com 2.371,74 pontos; a mínima foi de 2.331,57 pontos e a máxima foi de 2.371,74 pontos. O Standard & Poor's 500 subiu 9,22 pontos, ou 0,67%, para 1.387,17 pontos. O NYSE Composite fechou em alta de 31,72 pontos, ou 0,36%, para 8.958,60 pontos. O volume negociado na NYSE subiu para 2,08 bilhões de ações, de 1,96 bilhão de ações ontem; 2.025 ações subiram, 1.293 caíram e 136 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume subiu para 2,314 bilhões de ações negociadas, de 2,269 bilhões de ações ontem, com 1.656 ações fechando em alta e 1.371 em queda. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.