Bolsas de NY fecham divergentes por cautela e balanços

As Bolsas de Nova York fecharam em direções divergentes nesta terça-feira, 20, com o índice Dow Jones migrando para o terreno negativo no último minuto de negociação. Os índices passaram grande parte da sessão no azul, apoiados por balanços corporativos acima das expectativas e pelo avanço do índice de atividade nacional do Federal Reserve de Chicago. Mas pesou sobre Wall Street a cautela antes da divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve (banco central norte-americano).

Agencia Estado

20 de agosto de 2013 | 17h41

O índice Dow Jones caiu 7,75 pontos (0,05%) e encerrou aos 15.002,99 pontos. O S&P 500 avançou 6,29 pontos (0,38%), para 1.652,35 pontos. Já o Nasdaq ganhou 24,50 pontos (0,68%) e fechou aos 3.613,59 pontos.

O foco das atenções do mercado continua a ser quando os estímulos do Fed começarão a ser retirados, mas, apesar das incertezas, o S&P 500 e o Nasdaq conseguiram interromper quatro sessões de perdas, ajudados por balanços melhores do que o esperado.

O único indicador econômico anunciado nos EUA foi o índice de atividade nacional, medido pelo Fed de Chicago. O índice subiu para -0,15 em julho, de -0,23 em junho. Com isso, os participantes se concentraram mais nos balanços anunciados por empresas do setor de varejo.

Segundo Mark Freeman, diretor de investimentos do Westwood Holdings Group, os ganhos do mercado acionário norte-americano refletem também a diminuição do nervosismo dos investidores com a forte alta das taxas de juros nas últimas semanas. "O nível de medo diminuiu, pelo menos temporariamente", disse Freeman.

No noticiário corporativo, a Best Buy surpreendeu com forte aumento no lucro, que passou de US$ 12 milhões no segundo trimestre de 2012 para US$ 266 milhões no mesmo período deste ano. A Home Depot, rede que vende material de construção, divulgou aumento de 17% no lucro e ainda revisou para cima as projeções para 2013. Os papéis da Best Buy fecharam em alta de 13,31%, enquanto a Home Depot recuou 1,22%.

As ações da J.C. Penney avançaram 5,98%. O lucro da empresa aumentou quase 300% no segundo trimestre, mas a companhia projetou encerrar o ano com US$ 1,5 bilhão em liquidez e afirmou que a performance na volta às aulas foi positiva.

Na Europa, as Bolsas finalizaram com quedas expressivas e os investidores europeus também começaram a avaliar qual será o impacto do iminente movimento do Fed sobre os ganhos das empresas da região. A Bolsa de Madri liderou as perdas, com queda de 1,79%, Paris recuou 1,35% e Londres caiu 0,19%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsas de Valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.