Bolsas de NY fecham em alta com dados dos EUA

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quinta-feira, impulsionadas por indicadores econômicos positivos nos EUA, notícias corporativas animadoras e comentários feitos pela chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

16 de agosto de 2012 | 18h01

O índice Dow Jones subiu 85,33 pontos (0,65%), fechando a 13.250,11 pontos. O Nasdaq avançou 31,46 pontos (1,04%), fechando a 3.062,39 pontos. E o S&P 500 ganhou 9,98 pontos (0,71%), fechando a 1.415,51 pontos. Com os ganhos de hoje, o S&P está apenas 3,5 pontos abaixo da sua máxima histórica, atingida em maio de 2008. E o Dow Jones está 29 pontos abaixo de uma máxima de quase cinco anos.

Nos EUA foram divulgados vários indicadores nesta quinta-feira mas os investidores se focaram nas permissões para novas construções, que subiram 6,8% em julho e atingiram o nível mais alto em quatro anos, em mais um sinal positivo sobre o futuro do setor imobiliário, embora as construções de moradias tenham caído 1,1%, mais do que a previsão de queda de 0,5%.

Já o Departamento do Trabalho divulgou que o número de trabalhadores que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego subiu 2 mil na semana passada, para 366 mil. A elevação foi menor do que a esperada, mas o total de solicitações ficou acima da projeção de analistas. E o Federal Reserve da Filadélfia reportou que seu índice de atividade industrial subiu para -7,1 em agosto, mas ficou abaixo da previsão dos economistas, de -6,5.

Os mercados acionários também receberam suporte de comentários feitos por Merkel, durante uma viagem oficial ao Canadá. Ela disse que seu país está comprometido a fazer tudo que puder para manter o euro, repetindo uma declaração feita pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, em evento realizado em Londres no mês passado. A fala da líder alemã foi importante porque nos últimos dias diversas autoridades do país vinham criticando as políticas do BCE, o que sugeria que a Alemanha poderia se opor ao plano do banco central de ajudar os países debilitados do bloco, por meio da compra de bônus soberanos.

"Os mercados estão subindo. Mesmo que seja apenas alguns pontos por dia, os mercados estão melhorando, e a natureza interna deles dá suporte para a manutenção dessa tendência", afirmou Paul Nolte, diretor-gerente da gestora de ativos Dearborn Partners.

No front corporativo, o destaque foram as ações da Cisco System, que subiram 9,63%, após a companhia divulgar o balanço do seu quarto trimestre fiscal ontem, depois do fechamento do mercado. Além da alta de 56% no lucro líquido, a companhia anunciou um aumento de 75% nos dividendos. Já a IBM avançou 1,23%, após anunciar a compra da fabricante de cartões de memória Texas Memory Systems, por uma quantia não revelada.

Já a rede de supermercados Walmart perdeu 3,09%, após reportar vendas que ficaram abaixo das estimativas dos analistas, que acabaram ofuscando o balanço trimestral, que veio melhor que o esperado. E o Facebook perdeu 6,27%, atingindo uma mínima recorde, em meio a um forte volume de negociação, após o vencimento de regras que impediam alguns dos primeiros investidores a reduzirem suas participações na empresa. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.