Bolsas de NY fecham em baixa com dados de emprego

Os principais índices de ações fecharam em baixa, mas bem acima das mínimas registradas mais cedo em consequência do inesperado aumento no número de novos pedidos de auxílio-desemprego requeridos na semana passada nos EUA. As ações do setor financeiro lideraram as perdas. Depois de registrar uma queda de 188 pontos no final da manhã, o índice Dow Jones reduziu as perdas para 53.13 pontos (0,51%) e fechou aos 10.321,03 pontos. O índice Nasdaq recuou 1,68 ponto (0,08%) e fechou com 2.234,22 pontos. O S&P-500 caiu 2,30 pontos (0,21%) e fechou com 1.102,94 pontos.

Suzi Katzumata, da, Agência Estado

25 de fevereiro de 2010 | 19h50

Os investidores atribuíram o rápido declínio do mercado ao aumento no número de novos pedidos de auxílio-desemprego para o nível mais alto em três meses na semana passada, para 496 mil (alta de 22 mil). A desanimadora perspectiva para o mercado de emprego pesou sobre as ações no início do dia, mas à tarde o mercado se recuperou, com muitos operadores creditando o movimento ao fortalecimento do euro e declínio do dólar.

As ações financeiras foram as que mais sofreram, com destaque para JPMorgan (-0,51%) e American Express (-0,96%). No setor de consumo, as ações da Coca-Cola caíram 3,70% depois da empresa anunciar um acordo para comprar as operações na América do Norte da engarrafadora Coca-Cola Enterprises por quase US$ 12 bilhões. As ações da Coca-Cola Enterprises dispararam 32,85%.

Na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse, na sigla em inglês), o volume negociado somou 1,145 bilhão de ações, de 1,008 bilhão de ações ontem. No Nasdaq, o volume alcançou 2,196 bilhões de ações, de 2,058 bilhões de ações ontem; 1.149 ações subiram e 1.519 caíram. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.