Bolsas de NY fecham em direções diversas

As bolsas de Nova York fecharam sem direção definida nesta segunda-feira, 28, após uma sessão extremamente volátil na qual os investidores avaliaram dados mistos da economia dos EUA em meio à expectativa pelo balanço da Apple e pela reunião do Federal Reserve esta semana. Mesmo com a falta de força do mercado de renda variável, o S&P 500 fechou em nível recorde pela segunda sessão seguida.

Agencia Estado

28 de outubro de 2013 | 18h57

O índice Dow Jones perdeu 1,35 ponto (0,01%), fechando a 15.568,93 pontos. O S&P 500 teve alta de 2,34 pontos (0,13%), encerrando a sessão no nível recorde de 1.762,11 pontos. O Nasdaq recuou 3,23 pontos (0,08%), terminando a 3.940,13 pontos.

Os números da economia americana divulgados nesta manhã vieram mistos. A produção industrial dos EUA subiu 0,6% em setembro ante agosto, superando a previsão de alta de 0,4%. No entanto, a produção manufatureira, o maior componente e o mais observado da produção industrial, subiu apenas 0,1% em setembro, mostrando desaceleração em relação ao ganho de 0,5% registrado em agosto.

Os outros dois dados desta manhã surpreenderam negativamente. O número de compradores de imóveis que assinaram contratos para a aquisição de residências usadas recuou pelo quarto mês consecutivo em setembro, com forte queda de 5,6% em relação a agosto, ante previsão de alta de 0,4%. O índice atingiu o menor nível desde dezembro do ano passado. Enquanto isso, o índice de atividade das empresas medido pelo Federal Reserve de Dallas registrou uma forte queda em outubro para 3,6, de 12,8 em setembro.

Também há expectativa para a reunião do Comitê Federal de Política Monetária (Fomc, na sigla em inglês) - o evento mais importante da semana. Embora Wall Street não espere mudanças, os economistas destacam que será importante ver o comunicado distribuído logo após o término do encontro, em busca de pistas sobre os impactos da crise fiscal na economia e como isso deve influenciar o rumo da política monetária.

No noticiário corporativo, a Apple divulgou após o fechamento do pregão que teve lucro líquido de US$ 7,5 bilhões no 4º trimestre fiscal, encerrado em setembro, superando as expectativas de analistas. O papel da empresa fechou a sessão com alta de 0,74%, mas caía 1,93% no after hours.

O lucro líquido da Merck recuou 35% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, para US$ 1,12 bilhão. A ação fechou o dia com queda de 2,56%.

Após cerca de metade das companhias do S&P 500 terem divulgado seus resultados até a última sexta-feira, 75% superaram as expectativas de lucro e 52% superaram as previsões para a receita, segundo a provedora de dados FactSet. Em bases anuais, os lucros cresceram 2,4% e as receitas avançaram 2%.

O S&P 500 ganhou mais de 6% desde o início da temporada de balanços (8 de outubro) e já avançou 24% este ano.

Na Europa, as bolsas fecharam majoritariamente em queda, com um baixo volume de negócios e uma realização de lucros após ralis recentes. A Bolsa de Madri liderou as perdas, com queda de 0,81%, enquanto Londres subiu 0,07% e Frankfurt recuou 0,08%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.