Bolsas de NY fecham em queda pelo 3º dia seguido

As bolsas de Nova York fecharam em território negativo, com a índice S&P 500 registrando sua quinta sessão consecutiva de queda e a maior sequência de declínios desde 12 de julho, afetadas por dados decepcionantes do setor imobiliário dos EUA e sinais de instabilidade crescente na zona do euro. Os setores de tecnologia e de energia foram os destaques negativos do pregão.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

26 de setembro de 2012 | 19h45

O Dow Jones fechou com queda de 44,04 pontos (0,33%), para 13.413,51, marcando a quarta sessão consecutiva de declínio. O S&P caiu 8,27 (0,6%) para 1.433,32, e o Nasdaq caiu 24,03 pontos (0,77%), para 3.093,70.

As ações do setor de energia recuaram, em linha com os contratos futuros do petróleo, apesar de um declínio surpreendente dos estoques nos EUA. Entre as empresas de tecnologia, as ações da Apple caíram pelo terceiro dia seguido e acumulam queda de 5% desde sexta-feira, após as vendas do iPhone 5 reportadas pela empresa desapontarem analistas.

As vendas de novas residências nos EUA recuaram 0,3% em agosto, na comparação com julho, para uma taxa ajustada sazonalmente de 373 mil unidades. Ao mesmo tempo, o preço médio de uma casa nova aumentou 17% em agosto, em bases anuais, atingindo um nível visto pela última vez em março de 2007. Números anunciados na terça-feira mostraram que os preços dos imóveis tiveram sua maior alta até agora neste ano desde 2005.

Mesmo assim, três dos cinco maiores declínios do índice S&P 500 foram registrados pelas construtoras PulteGroup (-4,7%), Lennar (-4,5%) e D.R. Horton (-3,9%).

No cenário externo, as preocupações sobre a Espanha e a Grécia se intensificaram no início da sessão, levando os mercados europeus a registrarem queda forte. A Espanha parece incrivelmente instável, após a convocação de eleições antecipadas na Catalunha e protestos contra medidas de austeridade, especialmente após o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, afirmar que os programas de aposentadoria antecipada serão limitados.

Os sindicatos da Grécia realizaram uma greve geral sobre as medidas de austeridade. O governo está se preparando para apresentar planos de cortes de orçamento a autoridade da zona do euro nesta semana.

No front corporativo, as ações do Grupo Financiero Santander Mexico SAB de CV subiram 5,95% na estreia da negociação pública dos papéis. O negócio, que teve ações listadas na Cidade do México e em Nova York, totalizou mais de US$ 4 bilhões. A maior parte dos papéis foi listada na New York Stock Exchange, e a oferta foi a maior realizada na bolsa norte-americana desde o lançamento das ações do Facebook.

As ações da fabricante de eletrônicas Jabil Circuit registraram a maior queda do índice S&P 500, de 9,9%, após a companhia anunciar resultados do quatro trimestre fiscal abaixo das previsões e um programa de recompra de ações de US$ 100 milhões. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaqfechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.