Bolsas de NY não sustentam ganhos e cedem

As bolsas norte-americanas não conseguiram sustentar o entusiasmo dos investidores ontem com o comunicado do Fed e operam fragilizadas pela alta de mais de 2% do petróleo e pelo alerta de resultado da Motorola. Mais cedo, saiu o índice de indicadores antecedentes nos EUA em fevereiro, o qual caiu 0,5%, levemente acima das expectativas de retração de 0,4%. A economia deve crescer em ritmo mais moderado e volátil nos próximos meses, disse o Conference Board, responsável pelo índice. "O setor imobiliário e de manufatura estão claramente em correção, mas o setor de consumo dá sinais de sustentação", afirmou o economista do Conference Board. "Este mix deve gerar um crescimento moderado e volátil daqui em diante". Às 11h50 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,18% e o Nasdaq recuava 0,45%. As ações da Motorola recuavam, já que ontem, depois do fechamento do pregão regular de Nova York, a companhia informou que revisou a previsão de vendas para o primeiro trimestre para entre US$ 9,2 bilhões e US$ 9,3 bilhões, da projeção feita em janeiro que era de US$ 10,4 bilhões a US$ 10,6 bilhões. Os analistas esperavam uma receita de US$ 10,46 bilhões no primeiro trimestre. Entre outras notícias com potencial para incomodar o mercado está o anúncio ontem, no fim do dia, de queda de 84% no lucro do primeiro trimestre fiscal da KB Home, refletindo retração nas novas encomendas e nos preços dos imóveis, em conseqüência da desaceleração da atividade no mercado imobiliário e desmoronamento do crédito hipotecário de alto risco (subprime, em inglês). As informações são das agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.