Bolsas de NY recuam com baixa do dólar

O mercado norte-americano de ações fechou com os principais índices em baixa. Operadores disseram que alguns investidores preferiram realizar lucros, depois das altas recentes. O mercado ignorou as quedas dos preços do petróleo e do ouro. Em parte, a queda das ações refletiu a apreensão dos participantes do mercado com a queda do dólar frente ao iene. "Um dólar mais fraco tem sido historicamente associada a uma inflação mais alta. Por isso, o câmbio pode ter desempenhado um papel. Mas, nesse caso, seria de se esperar que os preços dos bônus também caíssem, e isso não aconteceu. Por isso, o medo não foi tão intenso", comentou o estrategista-chefe do Prudential Equity Group, Ed Keon. Entre as componentes do índice Dow Jones, as ações da American Express caíram 0,90% e as da Caterpillar recuaram 0,63%, depois de as duas companhias divulgarem resultados. Várias outras ações reagiram à divulgação de informes de resultados, entre elas TD Ameritrade Holding, com queda de 9,7%, Xerox, com baixa de 5,4%, e Rambus, com alta de 15%. As da Ford, que havia divulgado resultados na sexta-feira, caíram 4,9%, após uma perda de 7,9% no pregão anterior. As da Kimberly-Clark subiram 2,3%, em reação a seus resultados do primeiro trimestre. As da US Airways avançaram 11%, depois de elevação de recomendação pelos analistas da Prudential. O índice Dow Jones fechou em queda de 11,13 pontos (0,10%), em 11.336,32 pontos. A mínima foi em 11.305,83 pontos e a máxima em 11.359,70 pontos. O Nasdaq fechou em queda de 9,48 pontos (0,40%), em 2.333,38 pontos, com mínima em 2.324,28 pontos e máxima em 2,338,78 pontos. O Standard & Poor's-500 caiu 3,17 pontos (0,24%), para 1.308,11 pontos. O NYSE Composite recuou 20,47 pontos (0,24%), para 8.440,59 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,519 bilhão de ações, de 1,777 bilhão na sexta-feira; 1.302 ações subiram, 1.989 caíram e 153 fecharam nos mesmos níveis da sexta-feira. No Nasdaq, o volume ficou em 1,960 bilhão de ações negociadas, de 2,29 bilhões na sexta-feira, com 1.092 ações fechando em alta e 1.957 em queda. Títulos dos EUA Os preços dos títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) subiram, com correspondente baixa nos juros. Operadores disseram que o mercado deu continuidade à consolidação iniciada na sexta-feira. Em dia marcado pela falta de indicadores importantes nos EUA, a atividade no mercado foi dominada por negociantes comprando Treasuries para fazer hedge antes de algumas emissões previstas. O Tesouro anunciou hoje que vai leiloar US$ 22 bilhões em papéis de 2 anos na quarta-feira e US$ 14 bilhões em papéis de 5 anos na quinta-feira. Segundo o estrategista Ian Lyngen, da RBS Greenwich Capital, o recuo dos preços do petróleo também contribuiu para a alta dos preços dos Treasuries. No resto da semana, o mercado estará atento a vários indicadores, entre eles os dados de vendas de imóveis residenciais usados e o índice de confiança da Conference Board, amanhã, o indicador de encomendas de bens duráveis, as vendas de imóveis novos e o "livro bege" do Fed, na quarta, os dados do auxílio-desemprego e o índice do Fed de Chicago na quinta e a primeira estimativa do PIB do primeiro trimestre e o índice de sentimento da Universidade de Michigan na sexta. Na quinta-feira, o presidente do Fed, Ben Bernanke, vai falar sobre as condições da economia em depoimento a um comitê do Congresso. "Sem dúvida, as declarações de Bernanke serão o evento mais importante da semana, mas acho que teremos que continuar atentos aos preços do petróleo", disse Mary Ann Hurley, vice-presidente de renda fixa da DA Davidson. No fechamento em Nova York, o juro projetado pelos títulos de 30 anos estava em 5,064%, de 5,097% na sexta-feira; o juro dos títulos de 10 anos estava em 4,985%, de 5,015% na sexta-feira; o juro das títulos de 2 anos estava em 4,884%, de 4,906% na sexta-feira. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.