Bolsas de NY recuam por temor com política de BCs

As Bolsas de Nova York fecharam em queda a sessão volátil desta terça-feira, 11, seguindo a tendência de outros mercados financeiros, com preocupações de investidores sobre os limites de políticas monetárias dos bancos centrais pesando sobre os índices. O Dow Jones, que iniciou a sessão em queda de 153 pontos, apagou as perdas até o fim da manhã antes de se enfraquecer novamente.

Agencia Estado

11 de junho de 2013 | 18h08

O índice Dow Jones perdeu 116,57 pontos (0,76%) e fechou a 15.122,02 pontos. O Dow sofreu a quarta queda de três dígitos em pontuação em duas semanas. O S&P 500 caiu 16,68 pontos (1,02%), encerrando a 1.626,13 pontos. Já o Nasdaq recuou 36,82 pontos (1,06%), finalizando a 3.436,95 pontos.

Os mercados financeiros globais foram sacudidos pela preocupação dos investidores com o comprometimento do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) e do Banco do Japão (BoJ) com estímulos à economia na forma de compras de bônus. Os temores foram reforçados após o BoJ decepcionar e não introduzir novas medidas para lidar com a volatilidade do mercado.

"Está selvagem e volátil. Existe muita confusão ao redor do mundo", disse Hank Herrmann, da Waddell & Reed Financial. Ele acredita que a volatilidade vai continuar até a próxima reunião do Fed e a entrevista à imprensa do presidente do Fed, Ben Bernanke, na semana que vem.

"O Fed tem enviado mensagens mistas, o que provavelmente se tornou um arrependimento neste momento", disse John Canally, estrategista da LPL Financial. "É um problema de comunicação, mas estaremos nessa situação até a reunião da semana que vem."

Em meio ao movimento geral de desmonte de posições, os indicadores econômicos foram ignorados. Os estoques das empresas dos EUA aumentaram 0,2% em abril, ficando em linha com as previsões dos economistas consultados pela Dow Jones. As vendas, enquanto isso, cresceram 2,9%. Já a Federação Nacional de Empresas Independentes (NFIB, na sigla em inglês) informou que o índice de confiança das pequenas empresas norte-americanas subiu para 94,4 em maio, de 92,1 em abril, superando a previsão dos economistas de alta para 93,0.

Todos os dez setores do S&P 500 recuaram neste pregão. Dentre as blue chips, a American Express teve a pior performance, com queda de 2,3%. A Sprint Nextel subiu 2,4%, após a japonesa SoftBank elevar sua oferta pela empresa em 7,5%, para US$ 21,6 bilhões.

Enquanto isso, as ações do Google encerraram em baixa de 1,17%, após a empresa anunciar que fechou a compra da israelense Waze, especializada em softwares de mapas e localização via celulares, mas sem revelar o valor da transação.

Na Europa, além dos temores relacionados aos estímulos dos bancos centrais, pesou sobre as bolsas o debate no Judiciário alemão sobre o programa do Banco Central Europeu (BCE) de compra de bônus da periferia do euro. A Bolsa de Frankfurt recuou 1,03%, Londres perdeu 0,94% e Paris teve queda de 1,39%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasNova Yorkfechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.