Bolsas de NY recuam, preocupadas com inflação

As bolsas norte-americanas abriram pressionadas, com considerações sobre a perspectiva de elevação da inflação ainda perturbando os investidores. A alta das commodities, a queda do dólar e a ausência de sinal mais claro do Fed (o banco central dos Estados Unidos) de que pretende interromper o ciclo de aperto monetário mantiveram as bolsas fortemente pressionadas na semana passada. Nesta manhã, alguns participantes citaram a apreciação do yuan contra o dólar como um dos fatores que estariam alimentando as considerações de pressão sobre os preços. Às 10h31, o índice Dow Jones recuava 0,21%, o Nasdaq 0,48% e o S&P 500, -0,25%. Embora muitos políticos e economistas defendam que o yuan está artificialmente subvalorizado em relação ao dólar, a apreciação da moeda chinesa trouxe novas preocupações relacionadas à inflação, o estrategista-chefe do SW Bach ao site aberto da CNN, Peter Cardillo. Segundo ele, este seria o motivo das vendas vistas nesta manhã das ações negociadas nos índices futuros de Nova York, apesar da forte queda do petróleo, de outras commodities e da taxa de juro dos títulos do Tesouro dos EUA. No pré-mercado, as ações da Target Corp caíram 4,9% depois de anunciar lucro abaixo da expectativa no primeiro trimestre. Os papéis da Cambridge Antibody Technology subiram 64%, após ter fechado acordo com a britânica AstraZeneca, pelo qual será adquirida. As informações são das agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.