Bolsas de NY recuam pressionadas por setor de saúde

As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta sexta-feira, 21, pressionadas por uma liquidação de ações do setor de saúde. No entanto, os índices acionários terminaram a semana com ganhos.

Agencia Estado

21 de março de 2014 | 18h52

O índice S&P 500 caiu 0,30%, ou 5,49 pontos, para 1.866,52 pontos, depois de ter atingido o novo recorde intraday de 1.884 pontos mais cedo. Na semana o S&P 500 acumulou alta de 1,4%. O índice Dow Jones recuou 0,19%, ou 28,28 pontos, para 16.302,77 pontos, com avanço de 1,5% na semana. O Nasdaq teve baixa de 0,98%, ou 42,50 pontos, para 4.276,79 pontos, pressionado pelas ações de empresas de saúde e pelas ações da Symantec. Mas na semana o índice subiu 0,7%.

As ações norte-americanas caíram no início da semana, especialmente depois de o resultado da reunião de política monetária do Federal Reserve alimentar expectativas de que a taxa de juros nos EUA pode ser elevada mais cedo que o previsto anteriormente. Porém, indicadores econômicos bons aliviaram a preocupação dos investidores e levaram o índice S&P 500 a atingir um novo recorde hoje.

As ações começaram esta sexta-feira em alta, impulsionadas, entre outras coisas, pela manutenção do rating AAA dos EUA pela Fitch, mas passaram a cair em meio a uma forte venda de papéis do setor de saúde. Segundo analistas, o catalisador para o movimento foi uma carta de reclamação escrita por três membros do Congresso dos EUA sobre os altos preços de um remédio para hepatite C da Gilead Sciences. A notícia sobre a carta provocou queda de 4,6% nas ações da empresa e derrubou outros papéis do setor.

Já as ações do setor financeiro se mantiveram em território positivo em reação ao anúncio feito ontem pelo Fed de que 29 dos 30 maiores bancos do país foram aprovados nos testes de estresse destinados a medir a capacidade deles de resistir a uma severa desaceleração econômica. Após o fechamento das bolsas o Fed anunciou revisões nos testes, mas o resultado final permaneceu basicamente o mesmo.

A sexta-feira marcou o que os operadores chamam de "quadruple witching", que é a expiração simultânea de futuros e opções sobre índices e ações. O fenômeno geralmente provoca aumento no volume negociado durante a última hora de pregão, pois investidores e operadores agem para fechar ou rolar posições antes de elas expirarem.

No campo corporativo, Zions Bancorp, banco regional que foi o único a fracassar no teste de estresse do Fed, caiu 5,3%. Nike, que faz parte do índice Dow Jones, recuou 5,1% após informar que espera que os ganhos no próximo ano fiscal subam menos que as projeções atuais, o que ofuscou resultados melhores que o previsto no terceiro trimestre fiscal da empresa.

Symantec declinou 12,9% e pesou especialmente sobre o índice Nasdaq. A empresa de software anunciou a demissão de Steve Bennett como executivo-chefe, que ficou menos de dois anos no cargo. Fonte: Dow Jones Newswires

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsas de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.