Bolsas de NY sobem após dados confusos de imóveis

O dado mostrando crescimento inesperado das obras de imóveis iniciadas em maio nos Estados Unidos inspirou compras de ações no pré-mercado e as bolsas de Nova York abriram no positivo. Às 10h38, o S&P 500 subia 0,18%, o Nasdaq 100, 0,21% e o Dow Jones avançava 0,26%. Os ganhos têm como pano de fundo uma queda acentuada na sessão anterior, provocada por um dado fraco do setor imobiliário. Hoje, outros números do setor municiaram o mercado com dados inconclusivos sobre o vigor do segmento. O número de construções de imóveis residenciais iniciadas em maio subiu 5%, para 1,957 milhão de unidades anualizadas nos EUA. O dado superou a previsão de economistas, que esperavam avanço ameno de 1,7%. Um número tão robusto seria suficiente para alimentar as preocupações sobre inflação, mas não houve choque, já que o dado foi, parcialmente, compensado pelo número de permissões para novas obras - que sinaliza o comportamento futuro do setor, que caiu 2,1%, para uma média anualizada de 1,932 milhão de unidades. O petróleo para julho sobe 0,64%, para US$ 69,42 por barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), oferecendo pretexto para cautela. Na esfera corporativa, a Boeing deve continuar se beneficiando das mazelas da Airbus. Hoje, a EADS negou uma informação, publicada no jornal alemão Handelsblatt, segundo a qual representantes de acionistas alemães teriam pedido a renúncia do co-executivo-chefe Noel Foregeard, que se negou a atender à exigência. A Apple também deve ocupar as atenções, com a notícia de que estaria negociando um acordo com estúdios de cinema de Hollywood para oferecer filmes no Itunes. A Microsoft também estaria envolvida em discussões semelhantes. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.