Bolsas de NY sobem com chance de socorro à Grécia

Mercados também estarão atentos esta semana ao relatório oficial sobre o mercado de trabalho  

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado,

31 de maio de 2011 | 10h44

As Bolsas de Nova York abriram o dia em alta, com a chance cada vez maior de a Grécia ser socorrida e não ter que declarar default (falência). O cenário leva otimismo às bolsas europeias e deve ajudar a erguer as bolsas de Nova York no início deste pregão, após o feriado de ontem nos Estados Unidos. Às 10h41 (horário de Brasília), o índice Dow Jones subia 1,05%, o Nasdaq avançava 1,04%, e o S&P 500 tinha alta de 0,95%.

Além da ajuda à Grécia, os mercados estarão atentos esta semana ao relatório oficial sobre o mercado de trabalho (payroll) de maio dos Estados Unidos, que será divulgado na sexta-feira. O indicador deve mostrar aumento 190 mil vagas este mês, ante criação de 244 mil em abril, segundo estimativas de analistas. A expectativa para a taxa de desemprego é de que desacelere de 9% em abril para 8,9% em maio.

Hoje, os destaques são o índice de atividade industrial regional dos gerentes de compras de Chicago, a ser divulgado às 10h45 (horário de Brasília) e o índice de confiança do consumidor do Conference Board, que sai às 11 horas.

O euro subia esta manhã com o otimismo trazido com a notícia de que a Alemanha deve deixar de pressionar a Grécia por um reescalonamento dos bônus gregos, abrindo o caminho para um novo pacote de ajuda financeira. O governo grego prepara um programa de austeridade fiscal maior, que deve ser anunciado nos próximos dias.

No campo corporativo, 47 das maiores companhias aéreas do mundo tiveram aumento da receita no ano passado por causa de um crescimento de 38% nas vendas auxiliares, ou de itens extras, como cobrança por bagagem, comida e entretenimento no voo, sem ter que subir as tarifas básicas. As que mais lucraram foram United Continental, Delta Airlines e American Airlines.

As ações da fabricante de aeronaves Boeing estão entre as 30 que mais subiram no acumulado do ano até sexta-feira, com alta de 18%. A lista é liderada pela Pfizer, que subiu no acumulado do ano 19,5%; American Express, alta acumulada de 19,1%; IBM, alta de 14,1%; Cisco alta de 18,6% e Bank of America, alta de 18,6%.

As ações da Nokia despencavam nesta manhã no pré-mercado, após a empresa reduzir projeções de vendas no segundo trimestre em serviços e acessórios dizendo que deve ficar "substancialmente abaixo das previsões anteriores".

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasNYGréciadívidadefalut

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.