Bolsas de NY sobem com notícia corporativa e petróleo

As Bolsas norte-americanas operam em alta forte, com o noticiário corporativo liderando o movimento. Além dos balanços favoráveis das farmacêuticas Merck e Schering-Plough, os negócios são embalados por operações de fusões e aquisições. A perspectiva de suspensão do conflito no Oriente Médio e a queda dos preços do petróleo também alimentam as compras. As ações das companhias aéreas estavam entre os destaques de alta por conta da queda do preço do petróleo e de previsão de lucro da controladora da United Airlines. Os ganhos de hoje revertem a perda registrada na sexta-feira pelos principais índices de Wall Street. Na sexta-feira, o Dow Jones fechou em baixa de 0,55% e o Nasdaq em queda de 0,93%. Às 12h28 (de Brasília), o Dow subia 1,26% e o Nasdaq registrava ganho de 1,62%. A HCA, a maior operadora de hospitais dos EUA, informou que aceitou a oferta de um grupo de investidores de sua aquisição por US$ 0,51 por ação, ou US$ 33 bilhões. O grupo de compradores inclui a Bain Capital LLC, Merrill Lynch & Co. e Kohlberg, Kravis Roberts (KKR). No negócio, o grupo se comprometeu a assumir dívidas da HCA que totalizam US$ 11,7 bilhões. Os papéis da HCA ganhavam 3,68%. A Advanced Micro Devices concordou em comprar a ATI Technologies, fabricante de chips que manejam gráficos para computadores pessoais, por US$ 5,4 bilhões. No mesmo horário acima, as ações da ATI subiam 16,8%, enquanto as da AMD caíam 6,2%. As ações da Merck operavam em alta de 3,24%. A companhia farmacêutica componente do índice Dow Jones informou que seu lucro líquido subiu para US$ 1,5 bilhão, ou US$ 0,69 por ação, no segundo trimestre, de US$ 720,6 milhões, ou US$ 0,33 por ação. Os papéis da também farmacêutica Schering-Plough avançavam, 5,19%, após anunciar que seu lucro líquido cresceu para US$ 237 milhões, ou US$ 0,16 por ação. A queda do petróleo para baixo de US$ 74,00 o barril na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) projetou os papéis do setor aéreo em alta. As ações da UAL Corp, controladora da United Airlines, estavam entre as que mais subiam, puxadas ainda pela previsão de que obterá seu primeiro lucro desde que saiu da concordata, em 1º de fevereiro. A previsão otimista provocava ganho de mais de 5% a suas ações. As ações da US Airways subiram com o anúncio de que irá adicionar 30 jatos da Embraer de 86 cadeiras a sua frota, em substituição de 20 de 50 cadeiras, em negócio fechado com a Republic Airways Holdings. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.