Bolsas de NY sobem com varejistas e queda do petróleo

Os bons números apresentados pelas maiores varejistas norte-americanas sobre suas vendas em abril, somados à queda do petróleo mantêm os principais índices de Wall Street em alta nesta manhã. Tais fatores minimizam o efeito desfavorável dos números sobre a produção industrial e sobre o custo da mão-de-obra para o primeiro trimestre. Às 12h43 (de Brasília), o índice Dow Jones subia 0,43% e o Nasdaq registrava alta de 0,73%. Os consumidores ignoraram a disparada dos preços da gasolina e partiram para as compras em abril, superando as compras feitas nos dois meses anteriores. Segundo o Conselho Internacional dos Shoppings Centers, as vendas entre as varejistas norte-americanas cresceram 6,6% em abril em comparação ao mesmo mês do ano passado. O aumento foi impulsionado pela Páscoa, segundo observadores. A Wal-Mart, maior varejista do mundo, registrou elevação de 6,8% em suas vendas nas lojas abertas há mais de um ano, acima das expectativas dos analistas de alta de 5,7% e de sua meta de expansão de 2% e a 4% das vendas. As ações da companhia operam em alta superior a 2%. O contrato de junho do petróleo negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) cai mais de 2%, para abaixo de US$ 71,00, na esteira dos números de ontem sobre os níveis dos estoques norte-americanos de petróleo e gasolina. O contrato de gasolina também registra queda forte, superior a 3%. As informações são das agências internacionais.

Agencia Estado,

04 de maio de 2006 | 12h43

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.