Bolsas de NY sobem, mas balanços causam volatilidade

As Bolsas de Valores de Nova York iniciaram o pregão de hoje em direções opostas. Enquanto o índice Dow Jones abriu em alta e subia 0,55% às 10h35, o índice Nasdaq cedeu 0,30%, prejudicado pelo balanço desfavorável do portal de internet Yahoo anunciado ontem, após o fechamento. Mas a queda foi momentânea. Minutos após das perdas da abertura, o Nasdaq já registrava ganho de 0,22%. IBM e JP Morgan dão força ao Dow Jones. No pré-mercado, as ações da Yahoo despencavam 13,6%. A companhia de Internet informou que sua receita cresceu 28% no segundo trimestre deste ano em comparação com igual período do ano passado, para US$ 1,12 bilhão, abaixo da mediana das previsões de analistas, de US$ 1,14 bilhão. Mas o que mais desagradou os investidores ontem foi o anúncio de adiamento da implementação de uma nova tecnologia relacionada aos anúncios que aparecem quando uma busca é efetuada. O grupo disse que esse atraso era "prudente" para garantir um lançamento com sucesso. O desempenho ruim da Yahoo arrastava outras empresas do setor. As ações do JP Morgan Chase & Co subiam 2,9%, depois de o grupo ter anunciado que seu lucro líquido mais que triplicou no segundo trimestre, totalizando US$ 3,54 bilhões, ou US$ 0,99 por ação. Analistas consultados pela Thomson Financial previam lucro de US$ 0,87 por ação, em média. A receita cresceu 15% entre os períodos, atingindo US$ 15,72 bilhões. Ainda no setor financeiro, Bank of America avançava 1,5%, depois de divulgar aumento de 18% do lucro no segundo trimestre frente a igual período de 2005, para US$ 5,48 bilhões (US$ 1,19 por ação). Excluindo encargos com reestruturação e fusões, o banco lucrou US$ 1,22 por ação, superando a mediana das estimativas de analistas de Wall Street, de lucro de US$ 1,10 por ação. Entre as empresas de tecnologia, IBM ganhava 2,3%, com os investidores reagindo ao balanço positivo apresentado pela companhia ontem. Apple, que divulga seus resultados financeiros hoje, subia 0,5%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.