Bolsas de NY sobem, mas liquidez limita vibração

"Wall Street recebeu um lance extremamente favorável, mas a questão é se há operadores suficientes ainda nas mesas para vibrarem com a jogada nessa véspera do fim de semana prolongado". Assim a agência Dow Jones abre seu texto sobre o mercado acionário norte-americano, esclarecendo que o arremesso veio do Departamento do Trabalho, que informou que 128 mil vagas foram criadas pelas empresas dos EUA em agosto, confirmando a previsão de aumento de 130 mil, e rompendo uma série de quatro meses seguidos de dados inferiores às expectativas dos economistas. A taxa de desemprego caiu para 4,7%, enquanto a pressão inflacionária vinda dos salários foi bem mais moderada do que no mês passado. O salário médio subiu 0,1%, abaixo do aumento de 0,3% previsto por economistas. As ações foram guiadas para o território positivo pelas notícias. O Dow Jones subia 0,48%, para 11.436 pontos. O nível de 11.425 pontos era o mais alto desde 16 de maio. O S&P ganhava 0,41%, para 1.309 pontos, também o nível mais elevado desde 16 de maio. O Nasdaq ganhava 0,35%, para 2.191 pontos. Mas a liquidez era reduzida, com os investidores saindo das mesas para o feriado prolongado. Os outros dados reforçaram o diagnóstico de que não há uma deterioração ampla da economia norte-americana. A Universidade de Michigan informou que o sentimento dos consumidores caiu de 84,7 no final do mês de julho para 82 no final do mês de agosto. Mas houve uma melhora na comparação com o levantamento de meados do mês, quando o índice estava em 78,7. A mediana das previsões de 17 economistas consultados era que o índice ficaria em torno de 79,2 na pesquisa final de agosto. O Instituto para Gestão de Oferta (ISM, ex-NAPM) informou que o índice de atividade industrial nacional dos gerentes de compras referente caiu de 54,7 em julho para 54,5 em agosto e ficou abaixo da previsão de 55,0 para agosto. O componente de preços, no entanto, caiu de 78,5 para 73 em agosto. A percepção de que há uma deterioração mais intensa no setor imobiliário foi reforçada. Os gastos com construção caíram 1,2% em julho, refletindo o declínio acentuado na construção de residências privadas. Paralelamente, a Associação Nacional das Corretoras informou queda de 7% nas vendas pendentes em julho, para o menos nível desde fevereiro em 2003. "O setor imobiliário está se desacelerando há um ano", comentou o estrategista chefe de investimentos da PNC Wealth Management, Jeff Kleintop. "Nos próximos meses, devemos ver essa desaceleração ficar mais moderada!", previu. "Estamos vendo movimentos leves de pré-feriado. Por isso, as rotações do mercado podem ser exageradas para os dois lados", completou o estrategista da S.W.Bach, Peter Cardillo. O petróleo era negociado em baixa, contribuindo para o clima ameno nas bolsas. O contrato para outubro cedia 0,58% a US$ 69,90 por barril, na Bolsa Mercantil de Nova York. A União Européia informou que está preparada para manter discussões com o Irã, mas acrescentou que não dará ao país um prazo indeterminado para resolver o impasse sobre seu programa nuclear. As ações da Bristol-Myers Squibb subiam 5,6%, após um juiz ter tomado uma decisão que bloqueia a venda de uma versão genérica do Plavix, um medicamento blockbuster da empresa. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

01 de setembro de 2006 | 13h19

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.