Bolsas de NY sobem na abertura com varejistas

As bolsas norte-americanas abriram em alta, mas a manutenção dos ganhos dependerá da recepção dos investidores aos números sobre o custo da mão-de-obra e produtividade no primeiro trimestre nos Estados Unidos. O custo superou o previsto e projetou o juro do título de 10 anos do Tesouro norte-americano em forte alta, causando sensação de que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) tem argumentos para continuar apertando a política monetária. Os índices futuros reduziram os ganhos - o S&P 500 chegou a operar em queda - depois da divulgação do dado. Às 10h15 (de Brasília), quando os negócios são interrompidos antes do início da sessão regular, o futuro Nasdaq-100 subia 0,13% e o S&P 500 avançava 0,22%. A produtividade cresceu 3,2% no primeiro trimestre, enquanto o custo subiu 2,9%. Economistas esperavam alta de 2,9% da produtividade e de 1,3% do custo. A sustentação dos futuros é proporcionada pelos números divulgados pelas maiores varejistas dos EUA. A Wal-Mart avançou no pré-mercado, depois de anunciar aumento de 6,8% nas vendas em abril, em lojas abertas há mais de um ano, como havia estimado. Às 10h34, o índice Dow Jones avançava 0,31%; o Nasdaq subia 0,45%; o S&P 500, +0,13%. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

04 de maio de 2006 | 10h38

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.