Bolsas de NY sustentam alta com ajuda de balanços

Os principais índices de ações do mercado norte-americano permanecem em alta acentuada, com o índice Dow Jones desfrutando de um ganho de três dígitos, impulsionados pela pressão diplomática no Oriente Médio, notícias de atividade de fusão e aquisição e fortes resultados anunciados pelas farmacêuticas Merck (+4,68%) e Schering-Plough (+6,43%), segundo analistas. Às 16h41 (de Brasília), o índice Dow Jones subia 184 pontos (1,70%), o Nasdaq avançava 39 pontos (1,94%) e o S&P-500 registrava alta de 20 pontos (1,68%). "A atividade de fusão e aquisição colocou uma oferta de compra sob o mercado", disse o diretor de transações da Ryan, Beck & Co, Jay Süskind. Ele disse que o sentimento do mercado recebeu um impulso adicional com a chegada da secretária do Estado dos EUA, Condoleezza Rice, ao Oriente Médio. Sua presença na região aumentou as esperanças de que um cessar-fogo entre Israel e o Hezbollah possa ser negociado. Para o estrategista de mercado da Cantor Fitzgerald, Marc Pado, os resultados trimestrais continuarão sendo o fator fundamental. "Esta semana precisa ser de expectativas atingidas", disse Pado, referindo-se aos balanços das companhias norte-americanas. A American Express - componente do índice Dow Jones - informou hoje que seu lucro líquido caiu 7% no segundo trimestre, para US$ 945 milhões (US$ 0,78 por ação). Contudo, a gigante do setor de cartão de crédito expandiu sua base de clientes e elevou a receita no período. Entre as moedas, o dólar voltou a subir frente seus principais rivais em Nova York, beneficiado pelo seu status de moeda de reserva em tempos de tensão internacional apesar do aumento da pressão diplomática para colocar fim ao conflito Israel-Hezbollah. Às 16h43 (de Brasília), o dólar estava a 116,81 ienes, alta de 0,56%; o euro estava a US$ 1,2629, queda de 0,58%. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros de petróleo reverteram as perdas iniciais e fecharam em alta, apesar das esperanças de que os esforços diplomáticos possam resolver a guerra no Oriente Médio. Os contratos de petróleo para setembro terminaram a US$ 75,05 o barril, elevação de US$ 0,62 (0,83%). As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.