Bolsas de NY têm baixo volume de negócios e índices caem

Dow Jones caiu 0,23%, o Nasdaq perdeu 0,75% enquanto o S&P 500 recuou 0,27%

Gustavo Nicoletta, da Agência de Estado,

25 de novembro de 2011 | 17h23

Os principais índices do mercado de ações dos EUA fecharam em queda, numa sessão mais curta do que a de costume por causa do feriado do Dia de Ação de Graças e afetados por um baixo volume de negócios. As bolsas refletiram preocupações com a crise das dívidas soberanas da Europa após investidores terem exigido um retorno relativamente alto da Itália para comprar papéis da dívida do país e também reagiram ao fato de a agência de classificação de risco Standard & Poor''s ter rebaixado a nota de crédito da Bélgica.

"Com o fraco leilão de títulos da Itália, o mercado errático e outras coisas vindas da Europa, a impressão é de que teremos uma repetição" dos receios dos últimos meses, disse Joe Bell, analista de ações da Schaeffer''s Investment Research. "As pessoas estão muito preocupadas com a possibilidade de os políticos da Europa não apresentarem soluções em breve", acrescentou.

O Dow Jones caiu 25,61 pontos, ou 0,23%, para 11.231,94 pontos e acumulou um declínio de 4,78% em relação à sexta-feira passada. Foi o pior desempenho do índice numa semana de feriado de Ação de Graças desde 1942, quando os mercados passaram a levar a data em consideração. O Nasdaq perdeu 18,57 pontos, ou 0,75%, e fechou a 2.441,51 pontos - queda de 5,09% na semana -, enquanto o S&P 500 recuou 3,12 pontos, ou 0,27%, para 1.158,67 pontos, caindo 4,69% em relação à sexta-feira passada.

Pela manhã, o Tesouro da Itália vendeu 8 bilhões de euros em títulos de 6 meses e 2 bilhões de euros em bônus de 24 meses com cupom (juro nominal) zero. Os papéis de 6 meses foram colocados com uma taxa média de retorno de 6,504%, bem acima dos 3,535% registrados num leilão semelhante realizado em 26 de outubro, enquanto os bônus de 24 meses ofereceram uma taxa de retorno de 7,814%, de 4,628% no leilão anterior.

Além disso, pouco antes do fechamento das bolsas norte-americanas, a Standard & Poor''s rebaixou a nota da Bélgica para AA, de AA+, citando riscos de financiamento e pressões do mercado sobre o país. Como as bolsas dos EUA não funcionaram ontem, os investidores norte-americanos também reagiram hoje ao rebaixamento no rating de Portugal pela Fitch.

Apesar do tom negativo do mercado, os investidores encontraram certo alívio no fato de uma reunião ocorrida ontem da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, com o presidente da França, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, não ter trazido notícias ainda mais negativas. Os três assumiram o compromisso de modificar os tratados da União Europeia para garantir maior integração fiscal na zona do euro.

"A reunião de ontem não terminou em lágrimas", disse Brian Jacobsen, estrategista-chefe de portfólios do Wells Fargo Funds Management. "Não houve manchetes negativas e isso já é uma boa notícia para este mercado." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasNova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.