Bolsas de NY terminam em alta apesar da cautela

As Bolsas de Nova York fecharam em alta, com as boas notícias sobre fusões ajudando os investidores a reduzirem a cautela antes da decisão, prevista para amanhã às 15h15 (de Brasília), do banco central dos EUA (Federal Reserve, ou Fed) sobre a política monetária norte-americana. Foi o último pregão deste inverno em Wall Street. Às 20h07 locais começa a primavera no hemisfério Norte. O Dow Jones, que avançou quase 116 pontos ontem, hoje ganhou mais 61,93 pontos, ou 0,51%, para terminar em 12.288,10 pontos. O Nasdaq subiu 0,58% e o S&P 500 fechou em alta de 0,63%. Os grandes índices terminaram em território positivo quatro dos últimos cinco pregões. "As pessoas estão em alguma medida respirando aliviadas por não verem mais más notícias vindo do setor de subprime (mercado de crédito imobiliário a clientes de alto risco)", disse o chefe de investimentos do First Quadrant, Max Darnell. "Os investidores também sentem que nada de muito novo virá da reunião do Fed amanhã, dado que eles tiveram a chance de digerir o que está acontecendo. E a atividade de fusão e aquisição tem sido muito importante", acrescentou. Para a reunião do Fed, as expectativas do mercado são de manutenção da taxa de juros em 5,25% ao ano, como nos cinco encontros anteriores. A atenção dos mercados estará voltada para o comunicado de política monetária e o que o Fed tem ou não a dizer sobre a saúde da economia e, especialmente, sobre os riscos de alta da inflação. As medidas-núcleo, que excluem os preços de alimentos e energia, dos indicadores de inflação ao produtor (PPI) e consumidor (CPI) divulgados na semana passada permaneceram bem acima da chamada zona de conforto do banco central norte-americano, de 1%-2%. Alguns analistas acreditam que o Fed poderá suavizar o viés de alta da política monetária, para poder agir se houver maior desaceleração das atividades. Não se descarta também que o Fed faça alguma referência indireta ao problema das hipotecas subprime e às condições de liquidez do mercado. Entre os componentes do Dow Jones, destacaram-se na alta Caterpillar (+1,1%), Citigroup (+1,2%) e Wal-Mart (+1,5%). Os maiores declínios incluíram Hewlett-Packard (-1,5%). As ações da Affiliated Computer Services subiram 17%, num dos melhores desempenho da Bolsa de Valores de Nova York (Nyse). O fundador Darwin Deason e o fundo de private equity (que compra participações em empresas) Cerberus Capital Management propuseram a compra da companhia de terceirização de tecnologia por cerca de US$ 6 bilhões. A Palm (negociada na Nasdaq) subiu 3,5%, com a expectativa de uma venda da fabricante do smart fone Treo se intensificando depois que o blog do setor Unstrung.com informou que a aquisição acontecerá esta semana. A Motorola, citada como possível interessada, subiu 2,9%. Em contrapartida, Halliburton caiu 5,9% após a líder em serviços petroleiros por valor de mercado informar que seus lucros no primeiro trimestre ficarão abaixo do previsto por Wall Street por causa do declínio nas atividades de perfuração no Canadá e Norte dos EUA. A notícia pesou sobre o setor, com BJ Services caindo 2,7%, Weatherford International perdendo 1,8% e Nabors Industries registrando baixa de 2,1%. Os papéis da Accredited Home Lenders, que ontem caíram 18%, subiram 20,3% com a notícia de que a financeira de hipotecas subprime recebeu uma linha de crédito de US$ 200 milhões da Farralon Capital Management. Os dados sobre moradia ficaram no foco do mercado antes da abertura da sessão, impulsionando os índices futuros de ação. Embora o número de início de construção de residências em fevereiro tenha ficado acima do esperado, crescendo 9%, o dado mostrou ainda fragilidades. As novas construções caíram 29,7% no Nordeste e 14,4% no Centro-Oeste, embora tenham aumentado 18% no Sul e 26,4% no Oeste. Além disso, o número de permissões para novas construções caiu 2,5% em fevereiro, mais do que o esperado (-0,7%). O índice Dow Jones fechou em alta de 61,93 pontos, ou 0,51%, em 12.288,10 pontos. A mínima foi em 12.213,11 pontos e a máxima em 12.294,03 pontos. O Nasdaq subiu 13,80 pontos, ou 0,58%, e fechou com 2.408,21 pontos; a mínima foi de 2.393,19 pontos e a máxima foi de 2.412,64 pontos. O Standard & Poor's 500 subiu 8,88 pontos, ou 0,63%, para 1.410,94 pontos. O Nyse Composite fechou em alta de 67,27 pontos, ou 0,74%, para 9.158,27 pontos. O volume negociado na Nyse somou 1,46 bilhão de ações, igual montante registrado ontem; 2.363 ações subiram, 949 caíram e 138 fecharam nos mesmos níveis de sexta-feira. No Nasdaq, o volume somou 1,783 bilhão de ações negociadas, de 1,736 bilhão de ações ontem, com 1.980 ações fechando em alta e 1.030 em queda. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.