Bolsas de NY terminam em queda forte, com geopolítica

O mercado norte-americano de ações sofreu hoje uma queda forte, com a escalada de violência no Oriente Médio pesando num mercado já abalado por informes de resultados fracos, alertas de queda nos lucros e outras notícias negativas sobre grandes empresas. "A situação geopolítica piorou bastante nos últimos dois dias, com o que aconteceu na Índia e o que está acontecendo entre Israel e a Palestina e agora o Líbano. Mas, mais do que qualquer outra coisa, a temporada de informes de resultados do segundo trimestre começou mal. Tivemos alguns alertas de empresas importantes, como EMC, 3M e Lucent, e resultados decepcionantes da Genentech e da Alcoa", comentou o analista Michael Malone, da Cowen & Co. O índice Dow Jones teve sua segunda queda de 100 pontos ou mais em apenas quatro pregões; o Nasdaq teve sua maior queda em um mês e fechou no nível mais baixo desde 14 de junho; o S&P-500 também teve sua maior queda em um mês. "As pessoas estão preocupadas com a possibilidade de a economia estar se desacelerando mais rapidamente do que se pensava, e isso pode afetar negativamente os lucros das empresas. O que está acontecendo no Oriente Médio faz o medo crescer", disse o chefe de pesquisa e estratégia da Dover Management, Chris Wolfe. Das 30 componentes do Dow Jones, 28 fecharam em queda. As ações da Microsoft caíram 1,99%, por causa da multa de US$ 357 milhões imposta à empresa pela União Européia devido ao não-cumprimento de determinação de 2004 para que compartilhasse o código-fonte de seu sistema operacional com a concorrência. As da IBM recuaram 1,29%, depois de a JP Morgan Securities rebaixar sua previsão de receita e dizer que as expectativas de crescimento da empresa para 2007 não são realistas. As ações da Intel caíram 4,23%. Ainda no setor de tecnologia, as ações da Dell caíram 4,44%, depois de a UBS rebaixar sua previsão para o lucro da empresa. As do Google recuaram 1,7%, em reação à previsão, feita pela RBC Capital Markets, de desaceleração em seu faturamento no segundo trimestre. As da Sun Microsystems subiram 2,6%, ainda devido ao lançamento de novos servidores, anunciado ontem. As da Apple Computer caíram 4,8%, depois de o Crédit Suisse dizer que espera que a empresa faça um alerta de queda nos lucros. No setor de biotecnologia, as ações da Genentech, que havia divulgado resultados ontem depois do fechamento, caíram 3,7%; no mesmo setor, as ações da Genzyme, que também divulgou resultados, subiram 8,2%. As ações da Halliburton caíram 0,93%, depois de o Pentágono anunciar que a empresa deixará de ser a única contratada para prover serviços de logística para as tropas norte-americanas que ocupam o Iraque. O índice Dow Jones fechou em queda de 121,59 pontos (1,09%), em 11.013,18 pontos. A mínima foi em 10.995,97 pontos e a máxima em 11.149,96 pontos. O Nasdaq fechou em queda de 38,62 pontos (1,81%), em 2.090,24 pontos, com mínima em 2.090,23 pontos e máxima em 2.128,86 pontos. O Standard & Poor's-500 caiu 13,92 pontos (1,09%), para 1.258,60 pontos. O NYSE Composite recuou 93,10 pontos (1,13%), para 8.113,18 pontos. O volume negociado na NYSE ficou em 1,488 bilhão de ações, de 1,583 bilhão ontem; 1.015 ações subiram, 2.269 caíram e 140 fecharam nos mesmos níveis de ontem. No Nasdaq, o volume ficou em 1,790 bilhão de ações negociadas, de 2,001 bilhões ontem, com 767 ações fechando em alta e 2.278 em queda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.